Costa convida indianos no Reino Unido a virem para Portugal no pós-Brexit

Primeiro-ministro lembra que o Português é a "3ª língua mais falada no Facebook" para seduzir o investimento indiano.

António Costa considera que a língua portuguesa é um dos principais ativos do país capazes de atrair investimento direto estrangeiro e até imigração.

Em Nova Deli, no primeiro dia da visita de Estado à Índia, o chefe de governo foi o orador principal de uma conferência subordinada ao tema das relações entre aquele país e a comunidade lusófona, onde falou de Portugal como potencial porta de entrada para a União Europeia mas, sobretudo, para um mercado de "260 milhões de consumidores que representam quase 5% do PIB global".

Costa sublinhou que o português é a "5ª língua mais utilizada na internet, a 5ª com maior número de países de língua oficial, a 4ªa língua mundial, e a 3ª mais utilizada no Facebook" e destacou que a aprendizagem do português "é hoje oferecida em mais de 70 países em todos os continentes" para transmitir uma ideia de globalidade do idioma.

Costa vende Portugal como porta de entrada na Europa e no mercado da CPLP

O mercado lusófono, diz o primeiro-ministro, tem um "enorme potencial económico" porque combina "a maior economia da América do Sul (o Brasil) com os países de crescimento mais rápido em África, como Angola e Moçambique".

Num discurso em que regressa frequentemente à vertente pessoal da visita ("é uma honra estar na terra do meu pai"), Costa apelou também aos laços culturais e históricos entre os dois países: "já nos conhecemos há 500 anos, é talvez a altura de terem uma presença económica mais forte em Portugal", afirmou, acrescentando que "a comunidade indiana em Portugal está bem inserida. Com a exceção do meu caso, que fui para a política, a maioria é feita de pessoas ligadas ao mundo dos negócios, são empresários importantes".

Os indianos, considera o primeiro ministro, podem estar descansados em relação ao Brexit: "O Reino Unido será sempre um grande parceiro da União Europeia e os indianos residente no Reino Unido não têm razão de preocupação", respondeu, a um participante na conferência que o questionou sobre o futuro da UE depois da decisão tomada em referendo no ano passado, lembrando no entanto "que há outras portas de entrada na UE, e Portugal é uma excelente porta, e até tem o mesmo fuso horário de Londres, pelo que vão sentir-se em casa".

A declarações de António Costa foram feitas ao final da manhã do primeiro dia da visita oficial que começou com pompa e circunstância: o primeiro-ministro foi recebido pelo homólogo indiano, Narendra Modi, no palácio presidencial, com direito a guarda de honra, e a uma declaração em inglês, ao lado do chefe de governo indiano, na qual o líder do executivo português sublinhou mais uma vez a vertente emocional da viagem, e a "honra" de ser distinguido por ser a primeira pessoa de origem indiana (estatuto reconhecido pelo Estado Indiano, dando direito a um passaporte especial) a liderar um governo ocidental.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG