Costa, BE e PCP têm de "distinguir o essencial do acessório"

Vasco Lourenço diz que primeiro-ministro, BE e PCP "não podem ceder à tentação" de fazer certas exigências mútuas.

O presidente da Associação 25 de Abril disse esta sexta-feira que o primeiro-ministro "não pode ceder à tentação de exigir" ao BE e PCP "que lhe entreguem um cheque em branco", pelo que "vai ter que ser capaz de, em cada momento, saber distinguir o essencial do acessório".

O BE e o PCP, por sua vez, "não podem ceder à tentação de transformar as suas minorias em maiorias decisórias", pois "por mais indispensáveis que sejam" continuam a "ser minorias", frisou Vasco Lourenço.

O capitão de Abril, que discursava na conferência "Portugal no 1º Quartel do Séc XXI. Estratégia rumo ao futuro" realizada na Fundação Gulbenkian, argumentou que apenas "será possível" recuperar as conquistas de Abril perdidas nos últimos anos se o governo e os partidos que o apoiam no Parlamento souberem "distinguir o essencial do acessório".

Perguntando "se António Costa vai confirmar-se como um verdadeiro homem de Estado", Vasco Lourenço adiantou: "Não vai ser fácil, vai ter de fazer alguma limpeza nos que queiram manter ou retomar as práticas de corrupção."

"Temos de ser capazes de construir um serviço de justiça sério, eficiente e justo", sublinhou Vasco Lourenço, lembrando a campanha que desenvolveu no início dos anos 1980 e culminou na criação da figura do Alto Comissário Contra a Corrupção.

Recuperar "um aparelho de Estado capaz e eficiente", fazer com que o Serviço Nacional de Saúde e o Sistema de Educação Público voltem "a ser a aposta do Estado no setor" e, promover "o regresso do Serviço Militar Obrigatório" foram desafios que Vasco Lourenço considerou fundamentais à recuperação dos objetivos de Abril.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.