Como foi o meu dia na Expo 98?

Tiago Pereira, 34 anos, desempregado, Vila Real

A recordação que tenho do meu primeiro dia na Expo 98 é de ver filas muito grandes para entrar nos pavilhões. Lembro-me que visitar os pavilhões de Alemanha e Macau, os melhores para mim, e estar muita gente durante muito tempo para conseguir entrar. E como tinha 14 anos furava as filas, passava por baixo das fitas e ninguém dizia nada.

Também peguei num carrinho de golf que estava parado, com a chave, e comecei a andar. Foi o pai de um amigo meu que fez parar. Fui com o meu irmão, amigos e pais de amigos.

O pavilhão da Alemanha foi o que mais gostei, tinha um simulador em que parecia que íamos às profundezas. No espaço da Expo em geral também me surpreendeu o Pavilhão Atlântico, era gigante.

Sobre a visão de Portugal na altura achei que éramos os reis do mundo, todos vinham a Portugal. Agora vejo que somos pequeninos mas continuamos a ser os melhores. Do que fica vinte anos depois, acho que a Expo 98 foi boa para Lisboa, mas para o resto do país nem por isso.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.