Como foi o meu dia na Expo 98?

Rui Maia, 54 anos, Formador na Renault Trucks, Vila Nova de Gaia

Há certos eventos que nos marcam e que ao longo da nossa vida não se devem perder, muitas vezes só acontecem uma só vez, e a Expo 98 foi um deles. Lembro-me de chegar ao recinto nas primeiras horas da manhã, a 21 de julho, com toda aquela orgânica de placas de trânsito a direcionar-nos para o estacionamento, de começar a vislumbrar um espaço enorme, diferente e moderno, de ficar estupefacto com a dimensão de tudo aquilo...

Apesar dos vários guias que tinha, nada me servia como referência, queria ver tudo a que tinha direito, comecei como uma "Barata Tonta", ora ia para um lado ora ia para o outro. Entre as visitas que me impressionaram, destaco a réplica da fachada das ruínas da "Igreja de Macau". Pela negativa, os poucos espaços de alimentação e com filas enormes, maiores ainda que as dos espaços a visitar.

Depois do que vi e do que ficou, senti sobretudo muito orgulho em ser português, por ver a capacidade de realização de um evento desta envergadura e de aproveitar a Expo 98 para proporcionar uma importante revolução urbana em Lisboa, instalada num espaço que estava votado ao abandono e que se transformou em espaço de referência de elevada qualidade de vida e urbanística.

A 22 de maio de 1998 abriu portas em Lisboa a Expo"98, com o tema "Os oceanos: um património para o futuro". Até ao dia 30 de setembro, Portugal mostrou ao mundo o resultado da requalificação de uma zona da capital que estava degradada: foi ali, onde hoje é o Parque das Nações, que nasceu uma das melhores exposições mundiais realizadas até à altura. O recinto recebeu mais de dez milhões de visitas e diariamente havia uma novidade para descobrir, fosse nos pavilhões dos países representados, fosse nos locais onde decorriam espetáculos, concertos ou desfiles. Além dos pavilhões temáticos, alguns com filas onde as pessoas esperavam longos minutos para entrar.

São essas experiências que o DN vai recordar diariamente, com testemunhos de quem ali esteve de visita ou fazendo parte dos espetáculos.

Exclusivos