UGT: Comissão de Trabalhadores está fragilizada e negociações esgotadas

Carlos Silva defende que deveriam ser os sindicatos a negociar com a empresa

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, afirmou hoje que a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa está "fragilizada" e o processo negocial "esgotado", defendendo que deveriam ser os sindicatos a negociar.

"O processo está esgotado e a Comissão de Trabalhadores está fragilizada", disse Carlos Silva à agência Lusa, que falava no final da reunião do secretariado nacional, que decorreu hoje em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

Para o secretário-geral da UGT, deveriam ser os sindicatos a liderar as negociações e a administração da Autoeuropa "tem que perceber que está no caminho errado".

"O que é que a Comissão de Trabalhadores está lá a fazer? Deve olhar para si própria e perceber que, se calhar, não tem capacidade nem competência para negociar e que tem de entregar isto [o processo negocial] a outro", sublinhou.

Segundo Carlos Silva, a Autoeuropa deveria "cumprir a Constituição da República Portuguesa", que prevê que a negociação coletiva "é feita com sindicatos e não com trabalhadores".

"Agora que estamos numa situação contingente, em que não há acordos, há o perigo de se deslocalizar o produto", alertou o dirigente sindical, que referiu que a questão foi abordada na reunião do secretariado nacional, que também aprovou uma resolução onde critica a postura dos empregadores, em sede de Concertação Social, na discussão do aumento do salário mínimo nacional.

Os trabalhadores da Autoeuropa aprovaram na quarta-feira, nos plenários realizados, uma proposta para uma greve de dois dias, em 02 e 03 fevereiro, disse o coordenador da Comissão de Trabalhadores (CT), Fernando Gonçalves, hoje à Lusa.

Depois da rejeição de dois pré-acordos sobre os novos horários negociados previamente com os representantes dos trabalhadores, a administração da Autoeuropa anunciou a imposição de um novo horário transitório, para vigorar no primeiro semestre de 2018, e a intenção de dialogar com a CT no que respeita ao horário de laboração contínua, que deverá ser implementado em agosto, depois do período de férias.

O novo horário transitório, que entra em vigor nos últimos dias do mês de janeiro, com 17 turnos semanais, prevê o pagamento dos sábados a 100%, equivalente ao pagamento como trabalho extraordinário, acrescidos de mais 25%, caso sejam cumpridos os objetivos de produção trimestrais.

No passado mês de julho, 74% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram um primeiro pré-acordo sobre os novos horários e fizeram um dia de greve (30 de agosto), a primeira por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela. Um segundo pré-acordo negociado com a nova Comissão de Trabalhadores liderada por Fernando Gonçalves também foi rejeitado pela maioria dos trabalhadores.

Exclusivos