Cirurgia precoce no Hospital São José teria evitado morte de jovem

Troca de emails revela convicção do diretor de neurociências da unidade hospitalar

O diretor de neurociências do Hospital de São José reconheceu que uma cirurgia precoce teria evitado a morte de David Duarte, que morreu naquele hospital em dezembro com aneurisma roto por falta de equipa cirúrgica aos fins de semana.

A informação consta de uma troca de emails do diretor da área de neurociências do S. José com o diretor clínico da instituição, a qual pode ser lida na deliberação da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), hoje conhecida.

O regulador identificou "falhas no acesso e na qualidade dos cuidados prestados" pelo hospital ao jovem David Duarte que morreu em dezembro de 2015 por falta de uma cirurgia.

Na deliberação da ERS consta uma mensagem do diretor da área de neurociências do São José, datada de 21 de dezembro, segundo o qual se tratou "de caso com formal indicação operatória para cirurgia precoce para clipagem do aneurisma que não foi possível por ausência de escala de fim-de-semana da equipa cirúrgica, questão já tratada há meses e que deu origem a uma proposta de solução (...) que não teve sequência".

O especialista não tem dúvidas de que "a cirurgia neste caso teria, de facto, evitado a evolução fatal que se veio a verificar", prossegue a mensagem.

Num outro email, enviado no dia seguinte, o diretor de neurocirurgia dá novos esclarecimentos ao diretor clínico sobre o caso.

"A única cirurgia de que o doente necessitava era a clipagem do aneurisma e seria este procedimento que evitaria a re-hemorragia que se revelou fatal", diz. Sobre a cirurgia, o médico afirmou que esta não se realizou "devido à inexistência de equipa multidisciplinar escalada para cirurgia urgente de aneurisma, equipa essencial para o efeito e sem a qual não é possível em segurança e rigor técnico esse tratamento".

Questionado sobre uma eventual transferência do doente para outra instituição, o clínico referiu que a mesma foi equacionada, mas não se concretizou por os profissionais do São José saberem "através de contactos diretos" de uma "inexistência de resposta nos restantes hospitais públicos da área de Lisboa".

Da pronúncia, o Hospital responde que se nesse primeiro email "resulta textualmente que a cirurgia precoce teria evitado a evolução fatal que se veio a verificar, deve, contudo, esclarecer-se que o emprego de tal verbo não é rigoroso, pois o que se pretendia afirmar é que essa cirurgia poderia ter evitado". "Trata-se de uma expressão ditada pela pressão das circunstâncias", esclarece, salientando que um segundo email, no dia seguinte, é dito é dito que "a única cirurgia de que o doente necessitava era a clipagem do aneurisma e seria este procedimento que evitaria a re-hemorragia, que se revelou fatal".

Entre as falhas identificadas pela ERS, na deliberação divulgada hoje, está o facto do CHLC- HSJ não possuir "capacidade para a prestação de cuidados de saúde específicos, nomeadamente, realização de cirurgia em situação de rotura de aneurisma cerebral por falta de recursos humanos especializados, essenciais à sua realização, após ter sido diagnosticada a rotura do aneurisma".

Mas também porque esta unidade de saúde, "considerando que o utente demonstrava já sinais de agravamento clínico", não procurou "uma alternativa efetiva de acesso para o utente, seja através de convocação da equipa necessária para a realização dacirurgia" ou "através de transferência do utente para outra unidade hospitalar".

O hospital poderia ainda ter adotado "uma intervenção de tipo life saving", prossegue o regulador.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG