Cinco instituições sociais juntam-se para lançar novo site de apostas desportivas

Chama-se Placard.pt mas é independente da marca de apostas físicas. Acionistas são a Santa Casa, a União das Misericórdias, a Fundação Montepio, a ACAPO e a Cáritas e cobrirá 22 modalidades. Terá ainda linha de apoio psicológico aos jogadores

"No início da próxima semana" - a data certa só deverá ser confirmada nesta segunda-feira à tarde, durante o evento oficial de lançamento - vai entrar online o 13.º site de apostas desportivas à cota licenciado no mercado regulado português. Chama-se "Placard.pt" mas, segundo Paulo Calado, vice-presidente da SAS Apostas Sociais, SA, empresa criada para o efeito, não terá "qualquer ligação" direta, em termos de negócio, com a marca detida pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) que detém o monopólio das apostas desportivas à cota físicas no país e que, em 2017, faturou mais de 500 milhões de euros.

"Não irá haver qualquer partilha de base de dados e mesmo as cotas são diferentes", diz o administrador da nova sociedade, adiantando que a nova página de apostas irá arrancar com "22 modalidades". De fora, pelo menos inicialmente, ficarão por exemplo as apostas hípicas, recentemente confirmadas pela SCML para o Placard.

A SCML será ainda assim o acionistas maioritário , controlando 54% do capital da sociedade, mas o restante está disperso por outras quatro instituições de solidariedade social de referência: a União das Misericórdias (16%), a Fundação Montepio (15%), a Cáritas (7,5%) e ACAPO (7,5%).

Os resultados da atividade serão repartidos por estas instituições, com Paulo Calado a defender que esse será um dos fatores que irão diferenciar este site dos concorrentes. "O resultado destas apostas só irá remunerar acionistas que têm fins estatutários e são eles próprios boas causas, causas sociais", diz.

O novo site poderá fazer uma diferença significativa na capacidade de financiamento destas entidades, em particular das que têm menor dimensão. Em 2017, à época ainda com apenas onze licenças emitidas no mercado regulado, as apostas desportivas à cota online representaram receitas superiores a 68 milhões de euros.

A entrada no mercado da nova marca seguramente causará apreensão à concorrência, sobretudo por trazer consigo o peso e a dimensão da SCML. Mas Paulo Calado assegura que, embora "os acionistas naturalmente desejem ter sucesso", o foco deste novo produto será em posicionar-se por "prestar o melhor serviço possível aos jogadores".

Devido ao perfil dos acionistas, o placard.pt promete ter uma conduta socialmente responsável no que ao jogo diz respeito. Nomeadamente através de "mais cuidados na área do jogo responsável e da responsabilidade social corporativa".

O site terá uma "linha telefónica dedicada" para dar aconselhamento aos jogadores, nomeadamente aos que têm comportamentos aditivos, para além das habituais restrições, como a possibilidade de o subscritor, que terá de ter mais de 18 anos e passar por um processo de verificação também usual, definir plafonds máximos de apostas e até excluir-se do site, ficando impedido de aceder ao mesmo. Segundo Paulo Calado, "mesmo ao nível da comunicação" da nova marca serão tidos alguns cuidados.

"Queremos entrar de uma forma tranquila, responsável, tendo cuidado com os jogadores. E com uma postura mais cuidada em termos de marketing", resume.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.