Cheias e inundações. Mau tempo vai agravar-se nas próximas horas

Alerta."Podem ocorrer fenómenos extremos". Distrito do Porto mais afetado. Rios Leça e Tâmega transbordaram.

A Proteção Civil registou, entre as 00:00 e as 12:30 de hoje, 352 ocorrências devido à chuva e vento fortes, sobretudo na zona litoral norte e em particular no distrito do Porto, a maioria relacionada com cheias e inundações.

Às 07:30 a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) tinha o registo de 109 ocorrências, sendo que, só nas últimas cinco horas, verificaram-se mais 243 ocorrências devido ao mau tempo.

A situação meteorológica vai agravar-se nas próximas horas

Em declarações à agência Lusa, o adjunto de operações da ANPC Marco Martins explicou que, até às 12:30, houve 215 situações de cheias e inundações, 56 quedas de árvores, 24 deslizamentos de terras, 14 registos de quedas de estruturas e 42 ocorrências de limpeza de vias.

O Porto é o distrito com o maior número de ocorrências (110), uma das quais prende-se com o facto de o Rio Leça ter transbordado e provocado a inundação de uma habitação, na Maia, sendo que no mesmo concelho ocorreu o aluimento de terras na A41, o que obrigou ao corte da vida.

Nos distritos do Porto, Vila Real, Viana do Castelo, Aveiro e Leiria mantêm-se várias estradas cortadas à circulação

Depois do Porto, Viseu (65), Coimbra (50) e Aveiro (38) são os distritos com o maior número de ocorrências registadas pela Proteção Civil.

Segundo o adjunto de operações nacional da ANPC, a situação meteorológica vai agravar-se nas próximas horas, principalmente ao final do dia, nos distritos a norte do Cabo Carvoeiro, nos quais "podem ocorrer fenómenos extremos" devido à chuva e ventos fortes.

Alerta Laranja

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou de seis para 10 os distritos em aviso laranja, o segundo mais grave, por causa do mau tempo, prevendo agitação marítima também em Lisboa, Setúbal, Leiria e Coimbra.

Ao inicio da manhã, o aviso laranja tinha sido acionado para os distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Porto, Aveiro e Viseu, mas cerca das 12:20 passou a abranger mais quatro distritos, tendo em conta a agitação marítima.

Beja, Guarda, Castelo Branco e Faro estão com aviso amarelo, o terceiro na escala e que prevê situações de risco para atividades que dependem da situação meteorológica, enquanto os restantes distritos mantém apenas o aviso verde, não se prevendo qualquer situação meteorológica de risco.

Nos distritos em aviso laranja, as ondas podem atingir esta tarde mais de cinco metros e os ventos podem ultrapassar os 90 quilómetros por hora.

Em Ponta Delgada, o estado do tempo nos grupos Central e Ocidental vai também sofrer agravamento durante a tarde, segundo os serviços de proteção civil regionais, devido à aproximação de um sistema de baixas pressões com um sistema frontal associado.

Inundações em Amarante

O rio Tâmega, em Amarante, atingiu hoje de manhã a praça mais baixa da cidade, provocando prejuízos em alguns estabelecimentos de restauração, disse à Lusa a proteção civil local.

Segundo Hélder Ferreira, comandante operacional, o nível do rio chegou aos 6,3 metros, o que foi também suficiente para inundar as lojas de alguns estabelecimentos situados junto ao Tâmega, na margem esquerda.

Na rua 31 de janeiro, uma das mais comerciais da cidade e que poderá ser a próxima artéria a ser inundada se a situação evoluir desfavoravelmente, vários lojistas já retiraram os seus haveres, precavendo o pior e seguindo as indicações da proteção civil.

Para já a situação está controlada, mas estamos de prevenção

Depois de várias horas a chover intensamente, durante a noite e manhã, a situação deverá melhorar durante a tarde, previu Hélder Ferreira.

No concelho de Amarante há registo vários deslizamentos de terras.

Vento forte causou estragos em cerca de duas dezenas de casas em Matosinhos

Cerca de duas dezenas de casas situadas na zona de Lavra, concelho de Matosinhos, sofreram hoje de madrugada estragos provocados pelo vento forte que se fez sentir naquela localidade, disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros de Matosinhos-Leça.

Segundo António Lima, adjunto dos Bombeiros Voluntários de Matosinhos-Leça, os danos ocorreram sobretudo ao nível dos telhados, das janelas, das caleiras e das persianas, acrescentando que todas as casas afetadas por este fenómeno de vento forte ficaram habitáveis.

Ainda de acordo com este operacional, as telhas de um restaurante "voaram" em direção a uma habitação do outro lado da rua, atravessaram a janela e causaram danos na sala.

Ainda na mesma zona da freguesia de Lavra, os bombeiros foram chamados a retirar duas pessoas acamadas da sua habitação para casas de vizinhos, devido a inundação. Esta casa, onde moravam mais duas pessoas, ficou temporariamente inabitável.

Centro comercial na Maia encerrado após inundação

O mau tempo e as chuvas intensas causaram a inundação do parque de estacionamento do centro comercial Maia Jardim, na Maia (Porto), que acabou por ser evacuado e encerrado, disse à Lusa o Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) do Porto.

O primeiro alerta foi dado pelas 07:05, hora a que a equipa de segurança do local ainda tentou, em vão, extrair a água do parque de estacionamento do piso -1 com motobombas.

Alguns funcionários tiveram de ser retirados daquele centro comercial na Maia, após o que os agentes de segurança optaram por fechar o estabelecimento.

Também de acordo com o CDOS do Porto, o mau tempo levou ao desabamento de duas das faixas de rodagem numa rotunda junto àquele espaço comercial.

No local estavam pelas 14:00 os bombeiros de Moreira da Maia e uma equipa da proteção civil municipal.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG