Carnaval de Torres Vedras quer ser património imaterial

A Câmara de Torres Vedras estima entregar dentro de três meses a candidatura a património mundial. Tradição que remonta, na cidade, aos anos 30 do século passado.

A Câmara de Torres Vedras, onde a celebração do Carnaval começou hoje, estima entregar dentro de três meses a candidatura a património mundial desta tradição que remonta, na cidade, aos anos 30 do século passado.

Questionado pela agência Lusa, o município informou hoje que o processo de candidatura está "na fase final" de construção, em conjunto com a Direção Geral do Património Cultural.

Com a candidatura a património imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), o município pretende "preservar a tradição do Carnaval de Torres Vedras", "promover o património imaterial da cidade" e também promover o evento, tendo em conta o "enorme potencial de atração de público".

Com os mesmos objetivos, a autarquia está a concluir o projeto para o futuro Centro de Artes do Carnaval, um investimento de 3,5 milhões de euros cujas obras deverão arrancar em 2016 na zona norte da cidade, que está a ser requalificada.

O Carnaval começou hoje em Torres Vedras com o corso escolar, que juntou nove mil crianças a desfilar nas ruas da cidade e cerca de 30 mil espetadores.

Num ano em que o evento adota o tema do amor, os mais pequenos foram mascarados de Mickey e Minnie, 'doutores do amor', Cupido, noivo e noiva, Dama e Vagabundo, 'rosas do amor' Carochinha e João Ratão, Branca de Neve e príncipe.

Para os cinco dias de folia, são esperados 350 mil visitantes, milhares de mascarados e receitas na ordem dos 10 milhões de euros para a economia local.

Os carros alegóricos, conhecidos pela tradicional sátira político-social, saem para a rua nos desfiles noturnos de sábado e segunda e nos diurnos de domingo e terça, mas a folia continua até de madrugada, com música nos bares e nos palcos espalhados pelo centro da cidade, cujas ruas são invadidas por milhares de visitantes.

O primeiro-ministro, Passos Coelho, o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, o líder do PS, António Costa, a chanceler alemã, Angela Merkel, banqueiros, o Zé Povinho e o futebolista Cristiano Ronaldo são algumas das figuras representadas nos bonecos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG