Câmara de Alpiarça procura fundos comunitários para recuperar barragem dos Patudos

Primeira candidatura aguarda aprovação, estando a segunda, no valor de 350.000 euros, a ser preparada em colaboração com a Agência Portuguesa do Ambiente.

A Câmara de Alpiarça anunciou hoje que candidatou a intervenção nas margens e limpeza da albufeira dos Patudos ao Fundo de Proteção dos Recursos Hídricos e está a preparar uma candidatura ao Portugal 2020 para recuperação ambiental da barragem.

Em comunicado, o município informou que a primeira candidatura aguarda aprovação, estando a segunda, no valor de 350.000 euros, a ser preparada em colaboração com a Agência Portuguesa do Ambiente.

Nesta intervenção, o município quer recuperar "toda a Albufeira dos Patudos, limpando-a em profundidade, procurando resolver os problemas de excesso de matéria orgânica, acumulada ao longo de quase 30 anos, de proliferação de algas e de escassez de oxigénio, fatores que potenciam a morte de algumas espécies de peixes, por asfixia, nos períodos de muito calor".

A autarquia refere os esforços que tem vindo a desenvolver desde há dois anos junto de diversas entidades, entre as quais o Governo e os serviços do Ministério do Ambiente, para a resolução do problema.

"A aprovação destas intervenções (o seu financiamento com verbas exteriores) é a única forma de resolver o grave problema de eutrofização das águas da Albufeira, uma vez que a Câmara Municipal de Alpiarça não tem os recursos financeiros necessários à sua realização", sublinha.

A nota recorda que o município de Alpiarça se encontra em situação de desequilíbrio financeiro estrutural, herdada de anteriores mandatos, e "que tem procurado (e conseguido) prosseguir uma gestão que permita a recuperação das finanças municipais".

Sublinhando que não é expectável que as intervenções de fundo de limpeza e recuperação sejam possíveis antes do final de 2015, o município afirma que irá continuar a intervir pontualmente, "como tem feito nos últimos meses, de forma a atenuar o impacto negativo deste processo de eutrofização".

Estas medidas de mitigação passam pela injeção de água fresca a partir de um dos antigos furos de abastecimento, fazendo entrar água limpa e mantendo os níveis da albufeira, limpeza das margens, evitando a acumulação de algas, oxigenação das águas com recurso à instalação de dois repuxos.

Por outro lado, o município tem promovido a realização de atividades de desporto e lazer, "que, por si, permitam também alguma oxigenação de superfície" e, com a colaboração dos trabalhadores da autarquia, tem retirado os peixes que não resistem, "sobretudo neste período de temperaturas muito elevadas, em que o problema se agrava".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.