Bloco pede ao governo para afastar Carlos Costa

Recomendação ao Governo é "em nome da estabilidade do sistema financeiro", diz Mariana Mortágua

O BE vai apresentar um projeto de resolução pedindo ao Governo o afastamento do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, anunciou esta quinta-feira a deputada bloquista Mariana Mortágua.

"É em nome da estabilidade do sistema financeiro e é também em nome do interesse dos contribuintes lesados pela inação ou pela má ação do governador do Banco de Portugal que o BE vai apresentar na Assembleia a República um projeto de resolução para recomendar ao Governo que retire Carlos Costa do Banco de Portugal, exigindo a sua demissão", anunciou Mariana Mortágua.

A deputada e dirigente bloquista fazia uma intervenção no encerramento de uma interpelação ao Governo, da iniciativa do CDS-PP, no parlamento.

Mariana Mortágua anunciou ainda um projeto de resolução - que é uma recomendação ao Governo - com o contributo do Bloco para o debate da reorganização do sistema de supervisão.

"Defendemos a manutenção do Banco de Portugal como autoridade monetária e a constituição de duas entidades, uma encarregue da supervisão comportamental, outra da prudencial, juntando em cada uma as valências do Banco de Portugal, da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), e do Instituto de Seguros de Portugal (ISP)", afirmou.

"Estas duas entidades devem ser coordenadas pelo Conselho Superior de Supervisão, que deve também albergar a autoridade de resolução", precisou.

Esta proposta destina-se ao médio e longo prazo, afirmou, para argumentar que o curto prazo tem de passar pelo afastamento de Carlos Costa, que, disse "já deu provas de não ter capacidade para supervisionar e intervir de forma atempada e eficaz no sistema bancário".

Além da "lista de falhas graves do governador" que é o relatório da comissão parlamentar de inquérito ao BES, Mariana Mortágua apontou para os novos dados revelados pela grande reportagem do jornalista da SIC Pedro Coelho.

"O Banco de Portugal criou falsas expetativas nos lesados do papel comercial e, sabemos agora, com base no trabalho de investigação de Pedro Coelho, ignorou os avisos do supervisor do Dubai sobre lavagem de dinheiro angolano através do BES e que o Banco de Portugal escondeu de documentação da comissão de inquérito", afirmou.

"Estes dois dados são novos para uma lição que já é velha: Carlos Costa está a mais no Banco de Portugal", sublinhou.

No debate, entre momentos de alguma crispação, numa altura de pedidos de esclarecimento de vários grupos parlamentares, em que Mariana Mortágua também interveio, houve um episódio protagonizado pela deputada do PSD Paula Teixeira da Cruz, que atacou diretamente a deputada bloquista, sob a forma da figura regimental da interpelação à mesa sobre a condução dos trabalhos.

"Eu gostaria que fosse distribuída a ata em que, na comissão, o senhor doutor Ricardo Salgado elogiou a senhora deputada Mariana Mortágua como tendo sido a pessoa que melhor conduziu os trabalhos nessa matéria. Sobre a questão de conluios e sobre a questão de quem ajuda quem", justificou a deputada do PSD.

Em março de 2015, na comissão parlamentar de inquérito ao BES, quando Mariana Mortágua questionava Ricardo Salgado, este afirmou: "A senhora tem qualidades de analista importantes. É objetivo, não leve a mal, não estou aqui a querer estar a fazer-lhe um cumprimento".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG