BE leva gestação de substituição a votação em plenário

Proposta de alteração à lei da procriação medicamente assistida que visa permitir as barrigas de aluguer foi chumbada na votação indiciária pelo PCP e partidos da direita

O Bloco de Esquerda (BE) transformou em projeto de lei o texto que legaliza a gestação de substituição, chumbado há uma semana, e solicitou a sua votação em plenário, sem discussão, disse à Lusa o deputado Moisés Ferreira.

Depois de ver chumbado o texto que apresentou para a legalização da gestação de substituição, primeiro na votação indiciária na passada quinta-feira e hoje na Comissão Parlamentar da Saúde, o BE anunciou uma nova tentativa de aprovação da iniciativa.

Para tal, e como explicou à Lusa o deputado Moisés Ferreira (BE), o partido transformou em projeto de lei o texto apresentado no Grupo de Trabalho sobre Procriação Medicamente Assistida (PMA), com vista à legalização da gestação de substituição, o qual foi chumbado.

Os bloquistas pretendem, contudo, que o projeto de lei seja votado em plenário, sem discussão, na generalidade, especialidade e em votação final.

"Discutimos esta questão durante largos meses. Não precisamos de mais discussão, mas antes que o mesmo seja votado", disse Moisés Ferreira.

Na Comissão Parlamentar da Saúde foram hoje confirmados os votos das direções dos grupos parlamentares às alterações da lei sobre PMA, as quais alargam o acesso a estes tratamentos.

A nova lei -- que ainda será votada em Plenário -- foi aprovada com os votos do PAN, PEV PS e BE.

A lei em vigor determina que apenas os casais heterossexuais e com problemas de infertilidade podem recorrer a estas técnicas, limitações que terminam com a entrada em vigor da nova lei.

Em relação à legalização da gestação de substituição, proposta pelo BE, votaram contra, na votação indiciária na passada quinta-feira, o PSD, o CDS e o PCP.

O projeto de lei do BE, que em princípio será votado no próximo dia 13 de maio, visa a legalização da gestação de substituição apenas nos casos em que as mulheres sem útero, com doença ou lesão estão impossibilitadas de engravidar.

Nesta técnica não será permitido qualquer tipo de pagamento, segundo a proposta dos bloquistas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.