Aumenta a pressão sobre Durão Barroso em Bruxelas

Funcionários pedem o fim da pensão de Barroso se este violar integridade da UE

Um designado "grupo espontâneo de funcionários das instituições europeias" pede numa dura carta aberta aos dirigentes europeus que aja contra a "decisão moralmente repreensível" de Durão Barroso ao ter aceitado funções no Goldman Sachs. E no limite admitem que se estiver em causa a violação do "princípio da integridade e discrição" relativamente à UE por parte do ex-presidente da Comissão Europeia devem ser tomadas "medidas fortes e exemplares" como a suspensão da sua pensão e de todos os títulos honoríficos.

Na carta que vai ser hoje dirigida ao presidentes da Comissão Europeia, do Parlamento e do Conselho europeus, respetivamente Jean--Claude Juncker, Martin Schulz e Donald Tusk, e a que o DN teve acesso, estes funcionários manifestam-se chocados com o facto de um ex-presidente de uma instituição europeia aceitar trabalhar - como presidente não executivo de operações e consultor internacional do banco de investimento - para um dos bancos mais envolvidos na crise dos subprime e, em particular, na crise da dívida grega.

"Imediatamente sentimos que este exemplo caricatural - mais um! - da prática da "porta giratória" irá inevitavelmente, e no pior momento, provocar danos no projeto europeu e na imagem das instituições europeias", referem na missiva.

Classificam a decisão como "irresponsável", "porque alimenta um contexto político que não é apenas de euroceticismo, mas agora também de eurofobia, em que alguns representantes políticos - até da maioria no Parlamento Europeu - começam a questionar abertamente a existência da Comissão Europeia e do método comunitário".

É altamente prejudicial para o projeto europeu e para as instituições europeias que um ex-presidente da Comissão esteja associado aos valores desenfreados e antiéticos que a Goldman Sachs representa

Reforçam ainda que no delicado contexto atual das múltiplas crises que se acumulam - a dos refugiados e dos migrantes, do brexit, a económica e a crise sobre o modelo de Europa que queremos construir - é altamente "prejudicial" para o projeto europeu e para as instituições europeias que um ex-presidente da Comissão esteja associado aos "valores desenfreados e antiéticos que a Goldman Sachs representa".

"Trata-se de uma decisão moralmente repreensível, na medida em que vai contra a honra e probidade de um serviço civil europeu que é suposto defender o interesse geral europeu. Todos os ex-membros das instituições europeias estão obrigados a respeitar o dever de integridade e discrição nos termos do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, artigo 245, mesmo depois de findo o período de 18 meses após cessarem funções", lê-se na carta.

Trata-se de uma decisão moralmente repreensível, na medida em que vai contra a honra e probidade de um serviço civil europeu

Por todas estas razões, afirma este grupo de funcionários da UE, é que decidiram lançar uma petição, apelando aos cidadãos europeus que a assinem, em que manifestam o desejo de ver tomadas medidas adequadas para garantir que os tratados sejam devidamente implementados.

"Verificar que o Sr. Barroso deixou o cargo há mais de 18 meses não pode ser a única resposta das instituições. O Tribunal de Justiça Europeu deve examinar detalhadamente e de forma transparente se o Sr. Barroso tem respeitado os seus deveres de integridade e discrição relativamente à União Europeia." E se não for o caso, sublinham, "devem ser tomadas medidas fortes e exemplares contra José Manuel Durão Barroso, tais como a suspensão da sua pensão e de todos os títulos honoríficos possíveis ligados às instituições europeias".

A petição, publicada no Change.org, já reuniu mais de 135 mil assinaturas de cidadãos europeus, incluindo funcionários da UE, funcionários reformados da UE e eurodeputados.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.