Audição de Maria Luís no Parlamento adiada para quinta-feira

Antiga ministra ia ser ouvida esta quarta-feira na subcomissão de Ética a propósito da contratação para administradora não executiva da Arrow Global

A deputada do PSD e ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque vai ser ouvida esta quinta-feira pela subcomissão de Ética da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias acerca da sua contratação para administradora não executiva da gestora de dívidas britânica Arrow Global.

Esta manhã, numa reunião à porta fechada da subcomissão, chegou a ser proposta a audição imediata da ex-ministra das Finanças mas, como a convocatória para a audiência foi efetuada apenas na noite de terça-feira, o PS sugeriu o adiamento para o dia seguinte, sendo acompanhado pelo PCP, com posterior concordância dos restantes grupos parlamentares.

Maria Luís Albuquerque será ouvida pelos seus pares na quinta-feira, às 13:30, também à porta fechada, para que os diversos deputados tenham o tempo considerado adequado para preparem os trabalhos.

A antiga governante, que manifestou a intenção de prestar esclarecimentos aos deputados, foi contratada pelo grupo britânico de gestão de créditos Arrow Global, gerando críticas de violação do estatuto dos deputados e do regime de incompatibilidades de titulares de altos cargos públicos devido às ligações do novo empregador ao agora privatizado Banif.

Também na terça-feira tinha chegado ao parlamento a documentação requerida por BE e PCP ao Governo sobre eventuais contratualizações diretas entre o Estado português e aquele conglomerado britânico, durante o mandato de Albuquerque, atestando a sua inexistência.

Segundo o documento do gabinete do Ministério das Finanças, no total, foram concedidos 423.428,99 euros, entre 2011 e 2015, a duas das subsidiárias do Arrow Global: White Star Asset Solutions (404.228,88 euros) e Gesphone (19.200,11 euros), a título de "majoração à criação de emprego" e "crédito fiscal extraordinário ao investimento".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.