Angela Merkel chegou a Braga e trocou sorrisos e acenos

Chanceler alemã visita o novo Centro de Tecnologia e Desenvolvimento da Bosch

A chanceler alemã, Angela Merkel, foi esta tarde recebida em Braga, onde visita o novo Centro de Investigação e Desenvolvimento da empresa Bosch, por algumas dezenas de populares curiosos com os quais trocou acenos e sorrisos rápidos.

Escoltada por carros oficiais e policiais, Angela Merkel chegou à freguesia de Sequeira cerca das 15:50, tendo sorrido e acenado do interior da viatura para alguns curiosos que a esperavam e iam comentando: "É a presidente da Alemanha" ou "é simpática".

Angela Merkel está de visita a Portugal esta quarta e quinta-feira a convite do primeiro-ministro, António Costa, que também chegou a Braga à mesma hora.

O novo Centro de Investigação e Desenvolvimento fica a poucos quilómetros da sede da Bosch Car Multimedia, a unidade que tem base em Braga.

A chanceler alemã, que chegou ao Aeroporto Internacional Sá Carneiro, no Porto, às 15:00, está em Braga para visitar o novo Centro de Tecnologia e Desenvolvimento da Bosch, de onde está previsto que saia, novamente em direção ao Porto, às 16:45.

No interior do novo centro estão previstas as intervenções de um responsável da Bosch, Dirk Hoheisel, seguindo-se a da chanceler alemã e terminando com a do primeiro-ministro, António Costa, isto antes de descerrar uma placa alusiva à inauguração desta infraestrutura.

Nesta visita oficial a Portugal a chanceler alemã viajará em veículos produzidos na fábrica da Autoeuropa, em Palmela.

No Porto, a responsável da República Federal da Alemanha vai visitar o I3S - Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, seguindo-se um encontro com os estudantes de doutoramento da Universidade do Porto.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.