Bilhetes de comboio à borla para estudantes de cursos profissionais

O prémio é para alunos do ensino superior e só para aqueles que não reprovarem. O projeto chama-se "Comboio do Conhecimento"

Os alunos dos cursos superiores profissionais que passem no primeiro ano podem viajar de comboio de graça para qualquer ponto do país durante uma semana, anunciou hoje o governo.

Para poderem aceder à viagem, os alunos dos cursos técnicos superiores profissionais em licenciaturas ou mestrados integrados precisam de ter completado o primeiro ano com pelo menos 36 créditos no ano letivo de 2017-18, o mesmo critério para a atribuição de bolsas.

Usando uma aplicação dedicada (Globestamp), os alunos podem ficar a saber mais dos sítios por onde vão parando ao viajar nos comboios da CP e, ao mesmo tempo, "podem partilhar a experiência" com os seus pares, disse à Lusa a secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Maria Fernanda Rollo.

"São anos exigentes", afirmou, considerando que o projeto Comboio do Conhecimento, que faz parte do programa "Estudar mais é preciso", premeia os estudantes ao mesmo tempo que é "um estímulo para conhecer o território e a identidade nacional".

"É absolutamente inédito, não sabemos o que vai acontecer", referiu a governante, destacando que "é errada a ideia que se meteu na cabeça das famílias de que não vale a pena estudar".

Apenas cerca de um terço dos alunos em idade de estar no ensino superior está a fazer um curso, o que significa que se está a "desperdiçar dois terços" do talento de jovens que precisam de saber que "a oportunidade de conseguir um emprego aumenta 85 por cento quando se tem formação", disse Maria Fernanda Rollo.

Se se juntarem as assimetrias regionais a uma curva demográfica descendente, o panorama fica muito mais preocupante.

Viajar é "um estímulo para as competências sociais e culturais", que estão a par da formação em termos do que os empregadores procuram, acrescentou.

O secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d'Oliveira Martins, afirmou que se trata também de uma maneira de "valorizar o comboio como meio de transporte" através deste "'InterRail' dentro do país".

"O governo anterior esteve de costas voltadas para a ferrovia", afirmou à Lusa, referindo que é uma forma de cativar os jovens para "um sistema moderno e viável" de deslocações em Portugal.

O presidente da associação académica da Universidade de Trás-os-Montes, António Vasconcelos, considerou que a iniciativa pode servir para contrariar a tendência de abandono escolar e levar os estudantes a conhecer melhor o interior do país.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...