Agente da PSP confessa ter furtado telemóvel de um condutor

Telemóvel no valor de 1038 euros foi retirado pelo agente quando este estacionava o carro de condutor alcoolizado

Um agente da PSP acusado de se apropriar de um telemóvel pertencente a um condutor sujeito a uma ação de fiscalização no Porto, em outubro de 2017, confessou esta quarta-feira os factos, não sabendo explicar porque o fez.

Na primeira sessão de julgamento, no Tribunal São João Novo, no Porto, o arguido, suspenso de funções, assumiu estar "muito arrependido", sublinhando que "nunca" fez uma "coisa daquelas antes" não sabendo, por isso, saber explicar o que "lhe passou na cabeça" para furtar o telemóvel.

Dada a confissão integral, a procuradora do Ministério Público (MP) partiu para as alegações finais pedindo apenas justiça, não tecendo mais comentários.

Antes do início da sessão, o arguido acordou com a vítima pagar-lhe uma indemnização de 2.000 euros em 60 dias.

De acordo com a acusação, a 1 de outubro de 2017, pelas 04:00, na Rua Faria Guimarães, no Porto, o agente determinou que um condutor de um automóvel fizesse o teste de pesquisa de álcool no sangue, que deu positivo.

Nesta sequência, antes que o condutor fosse conduzido para a esquerda da PSP do Bom Pastor, o agente, enquanto lhe estacionava e fechava o carro, com a chave que o mesmo lhe deu, apropriou-se de um telemóvel no valor de 1038 euros.

A leitura da decisão judicial ficou agendada para 12 de abril, pelas 14:00.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.