Agências de Turismo denunciam filas no aeroporto. SEF diz que problema é pontual

Estrangeiros esperaram mais de duas horas para controlo de fronteira. Sindicato do SEF aponta o dedo às condições dadas pela ANA Aeroportos

O problema não é novo, mas desta vez foi denunciado pela Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT). Os turistas esperaram esta terça-feira mais de duas horas para fazerem o controlo de entrada no espaço Schengen, no Aeroporto de Lisboa. "Este asssunto existe já dois anos, é publicitado por toda a gente e quem de direito não consegue resolver", lamenta o presidente da associação, Pedro Costa Ferreira.

Perante as longas filas, a associação decidiu publicar a imagem: "Uma fotografia vale mais que mil palavras. Não somos os primeiros a denunciar esta situação, diversas associações do setor têm feito esta denúncia", acrescenta o responsável da APAVT.

Ao DN, o presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), defende que este é um problema "conjunto". "É um problema de infraestrutra, equipamentos e funcionários", enumera Acácio Pereira. Reconhecendo que "não se resolverá num curto espaço de tempo" alerta para a necessidade de as pessoas "estarem preparadas para que isto ocorra mais vezes".

O sindicalista já tinha escrito sobre a situação num artigo de opinião publicado no DN, a 17 de maio. Onde aponta o dedo à ANA Aeroportos. "Agora que o SEF está a conseguir resolver a falta de inspetores, é a ausência de investimento da ANA no aeroporto que está a provocar os enormes tempos de espera que muitos estrangeiros têm de suportar para entrar em Portugal", escreveu então.

Facto que Pedro Costa Ferreira lamenta por ser a primeira imagem que os turistas têm de Portugal. "Todos nós temos consciência que o turismo em Portugal vive momentos francamente positivos. Temos um problema de aeroporto, precisamos de um novo, porque este está esgotado. Andamos no mundo a dizer que temos o povo que melhor recebe, depois colocamos os nossos amigos que nos visitam duas horas à espera na fronteira de Schengen. O tempo passa, vem mais um verão e o problema mantém-se", critica.

O SEF garante que se tratou de "uma situação circunscrita a um período temporal entre as 10:30 e as 13:30 no dia de hoje". "Registou-se numa altura de grande afluxo na estrutura aeroportuária (aterraram 26 voos, o que corresponde a cerca de 3500 passageiros)", acrescenta na explicação enviada por email, ao DN.

Registou-se numa altura de grande afluxo na estrutura aeroportuária

"Em situações de fluxo normal de passageiros registam-se tempos de espera equilibrados, semelhantes aos registados noutras estruturas aeroportuárias análogas às do aeroporto de Lisboa. Em 2018, no controlo de "todos os passaportes" no Aeroporto de Lisboa, em mais de metade das situações o tempo de espera médio é inferior a 5 minutos e em mais de 90% das medições regista-se um tempo de espera médio inferior a 30 minutos."

Ficou ainda a garantia de que "o SEF tem vindo a colaborar com a ANA/Vinci, no sentido de assegurar a articulação de estratégias e implementação de melhores soluções, sem descurar nunca a segurança no controlo documental exigida ao nível nacional e europeu".

O DN tentou também contactar a ANA.

Notícia atualizada às 19.38 para incluir a resposta do SEF

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.