Morais Sarmento desafia Marcelo a patrocinar consensos de regime

Futuro vice-presidente de Rui Rio pensa que intervenção do presidente será essencial

O antigo ministro adjunto de Durão Barroso e futuro vice-presidente de Rui Rio desafiou o Presidente da República a patrocinar os consensos de regime. Nuno Morais Sarmento lembrou a relação estreita que Marcelo Rebelo de Sousa tem com os portugueses e que lhe dão força para mobilizar o país e os partidos para um conjunto de temas que são estruturais.

Esta intervenção de Sarmento vai na mesma linha de pensamento do novo líder do PSD, que insistentemente tem defendido a necessidade de consensos de regime.

O antigo ministro defendeu também que é preciso o partido enfrentar uma "frente de esquerda" que não existe por qualquer projeto comum. "A falta de convicção e de projeto é a sua fraqueza", garantiu.

Nuno Morais Sarmento lembrou que o primeiro desafio eleitoral se trava nas eleições regionais da Madeira, onde também há uma frente de esquerda que se "esconde atrás de Paulo Cafôfo", o candidato independente que encabeça uma coligação que integra o PCP e o BE. "É preciso dizer aos madeirenses que se votassem nessa frente estariam a entregar o governo da Madeiras a quem nunca quiseram, ao PCP e o BE", disse.

"Não pertenço a este país político nem me sinto representado neste país político", onde, disse, que os recursos políticos são para alimentar as clientelas políticas.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.