Marisa acusa autoridades e poderes públicos falharam preparação de nova vaga

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda diz que é preciso "vontade política" para ultrapassar o momento díficil causado pela pandemia.

A candidata presidencial bloquista, Marisa Matias, acusou hoje as autoridades e os poderes públicos em Portugal de terem falhado na preparação da nova vaga da pandemia, recusando acreditar em milagres, mas sim na "vontade política" de dar respostas.

O oitavo dia de campanha de Marisa Matias começou no Porto, na Escola Básica e Secundária do Cerco, para um encontro com seis precárias do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), tendo, no final, sido questionada pelos jornalistas sobre o agravamento da situação pandémica em Portugal, com uma enorme pressão sobre os hospitais e avisos de vários especialistas.

"Houve uma falta de preparação em relação ao que aí vinha e nós já sabíamos - não porque eu tenha capacidades de adivinhar o futuro - mas porque havia muitas análises de muitos especialistas, de muitos peritos em saúde pública e em epidemiologia que nos avisavam já que ainda havia momentos muito difíceis pela frente e um agravamento em vários momentos da pandemia", lamentou.

Na perspetiva da recandidata presidencial apoiada pelo BE, "as autoridades em Portugal falharam e os poderes públicos falharam na preparação do que estava para vir e na garantia dos apoios para que as pessoas pudessem continuar a cumprir esse isolamento".

"Eu não acredito em milagres, eu acredito na vontade política e na nossa capacidade de dar resposta às necessidades e acredito na nossa capacidade também, enquanto país, de todos e todas juntos ultrapassarmos estes momentos tão difíceis", respondeu, quando questionada sobre se a ideia de um "milagre português" na primeira vaga contribuiu para algum relaxamento agora.

Para Marisa Matias, "uma intervenção política permanente exige também medidas permanentes e constantes" que deem condições às pessoas e garantia "de que não vão ficar sem rendimento".

"É isso que faz uma resposta completa, não é uma obra de milagre. É obra da política e da intervenção política e da intervenção pública", defendeu.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG