Mar e regresso do ensino superior nas prioridades de Santana Lopes na Figueira

O independente Pedro Santana Lopes tomou posse como presidente da Câmara da Figueira da Foz e anunciou que a Universidade de Coimbra vai abrir um polo na cidade

No final da tomada de posse, o autarca disse aos jornalistas que a segurança de quem trabalha e vai ao mar "é um aspeto chave" em que vai começar a trabalhar nos primeiros dias de mandato.

"Acabar as obras em curso, algumas que demoram há muito tempo, independentemente da vontade das pessoas, e tomar as medidas necessárias para que isso aconteça" é outra das medidas iniciais de Santana Lopes, que regressa ao cargo que já exerceu entre 1997 e 2001.

O património -- em particular o Mosteiro de Seiça e o Paço de Maiorca, "realidades que estão muito complicadas" - e a "resposta social, com os centros de saúde e o sistema de transporte das pessoas que vivem mais longe do centro do concelho", são as áreas em que o autarca prometeu "trabalhar mais depressa".

O novo presidente do município anunciou que a Universidade de Coimbra vai abrir uma extensão na cidade, que deverá entrar em funcionamento no início do próximo ano letivo, embora ainda não estejam definidos os cursos e a sua graduação, nem o local onde vai ser instalada.

"Eventualmente pós-graduação, formação ou licenciatura, que será o reitor a decidir, mas será nestas áreas mais ligadas ao mar, podendo incluir outras, nomeadamente a floresta", adiantou.

Na cerimónia de tomada de posse, que encheu o Centro de Artes e Espetáculos, Santana Lopes apontou também a erosão da costa, o centralismo e a desertificação como "grandes preocupações" do seu mandato.

O autarca manifestou o "sonho" de tornar a Figueira da Foz numa cidade "modelar daquilo que [se gostaria] de ver em todo o país", bem como a ambição de puxar pela sua identidade como "capital do mar".

"A Figueira da Foz tem de ser conhecida pela importância que dá à investigação e à ciência e pela ligação que faz entre a investigação e as empresas, fundamental para o desenvolvimento", disse, frisando que os concelhos que o conseguem "atingem os patamares maiores de desenvolvimento e até crescem em população".

Para Santana Lopes, "as pessoas têm de saber que quando quiserem estudar, investigar e tratar de assuntos do mar o melhor sítio em Portugal é a Figueira da Foz".

O município, anunciou, vai assumir a sua própria promoção turística, apostando em mercados alvo, embora sem sair da Turismo do Centro, liderada por Pedro Machado, que foi o cabeça de lista do PSD à Câmara e renunciou ao mandato de vereador, depois de os sociais-democratas terem sido a terceira força política mais votada e terem obtido um mandato.

Apesar de não ter maioria absoluta no executivo e na Assembleia Municipal, Santana Lopes falou na "obrigação de convergência e procura de entendimentos", considerando que as respostas que precisam de ser dadas são "o imperativo que se coloca a todos".

O independente sublinhou que não esquece "factos anómalos" da campanha como as queixas apresentadas pelo PSD em tribunal sobre a sua candidatura, pelo que apresentou queixa ao Conselho Superior de Magistratura e à Comissão Nacional de Eleições.

O movimento "Figueira a Primeira", de Pedro Santana Lopes, venceu as eleições autárquicas de 26 de setembro na Figueira da Foz (distrito de Coimbra) com 40,39% dos votos, segundo os dados provisórios do Ministério da Administração Interna.

Apurados os resultados nas 14 freguesias do concelho, o movimento obteve 40,39% dos votos e quatro mandatos. Em segundo lugar ficou o PS, com 38,39% dos votos e também quatro mandatos. O PSD ficou em terceiro lugar, com 10,83% e um mandato, e a CDU 2,68% sem mandatos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG