Líder do CDS e a ceia de Natal da direita. A "prima moderninha", o "primo sem maneiras" e o "irmão desaparecido"

O presidente do CDS-PP protagoniza uma mensagem de Natal diferente onde ironiza com Iniciativa Liberal, Chega e PSD. No vídeo partilhado nas redes sociais, Francisco Rodrigues dos Santos diz que o partido que lidera "ocupa um papel central e absolutamente insubstituível".

É numa mensagem de Natal diferente, "bem-humorada", como o próprio descreve, que o líder do CDS-PP deseja as boas festas. Mas não sem antes apresentar quem se senta à mesa da "ceia de Natal da direita". Com ironia vai descrevendo as personagens fictícias. Apresenta a "prima moderninha", o "primo sem maneiras" e o "irmão desaparecido" ao mesmo tempo que faz uma caricatura aos partidos Iniciativa Liberal (IL), Chega e PSD.

Com as decorações de Natal em pano de fundo, Francisco Rodrigues dos Santos começa pela "prima moderninha" numa referência à IL. "Aqui senta-se aquela prima modernaça, ateia, que é uma profissional liberal de sucesso", conta. Diz que as ideias dela "são iguais às do Bloco de Esquerda", com exceção da economia. "É uma prima pela qual temos estima, mas que se encontra muito distante dos nossos valores sociais e cristãos", resume.

É a vez do "primo sem maneiras", que tem "umas ideias um bocado tontinhas". Nesta personagem fictícia ironiza com o Chega. "Diz-se antissistema, mas vem do sistema. Diz ser pela vida, mas tem uma posição dúbia sobre o aborto. Diz-se seguidor dos valores cristãos, mas quer castrar pessoas e equaciona condená-las à pena de morte". E o líder centrista desconfia que este primo "não morre de amores pela democracia". "É o primo que todos queremos ver pelas costas, porque não tem modos à mesa", sintetiza.

Ao redor da mesa da ceia de Natal, Francisco Rodrigues dos Santos continua e, por último, indica o lugar do próximo convidado, o "irmão desaparecido em combate" numa referência ao PSD. "Aqui à nossa esquerda sentava-se à mesa o nosso irmão. Mais liberal nos costumes e cada vez mais socialista na economia", descreve.

"Sempre nos demos muito bem, mas este ano, de repente, decidiu ir passar o Natal com a sua família de esquerda", declara o líder centrista, que depois fala no CDS-PP como o "partido insubstituível" na "grande família do centro-direita português.

Francisco Rodrigues dos Santos diz que o CDS "é claramente alternativa à esquerda", sendo o partido que "é capaz de construir pontes dentro do nosso espaço político para garantir que Portugal terá um governo de direita".

"Por último, faço-lhe um apelo, nesta quadra natalícia e no importante ano que se avizinha, peço-lhe que fique connosco, a sua família de sempre, o CDS-PP", conclui o líder centrista a mensagem de Natal deste ano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG