Kissinger achava que comunistas iam matar Mário Soares

Henry Kissinger, ex-secretário de Estado norte-americano, previu e errou que "os comunistas" iam matar, em 1975, Mário Soares, líder histórico do PS e ministro dos Negócios Estrangeiros.

"Os comunistas vão arrastar Soares para a esquerda até ele perder apoio e depois vão matá-lo. As forças armadas vão fazer um golpe de estado sob liderança dos comunistas", afirmou Kissinger numa reunião, a 04 de fevereiro de 1975, do Comité dos 40, organismo para supervisionar operações clandestinas e que incluía os serviços secretos, a CIA.

Henry Kissinger era um crítico de Mário Soares, considerando-o fraco e, em outubro de 1974, chegou a dizer-lhe que seria o "Kerensky português", o dirigente socialista russo derrotado por Lenine na revolução russa de 1917.

Anos mais tarde, já depois do fim do período revolucionário, em finais de 1975, também numa reunião em Washington, admitiu o erro quanto a Mário Soares, que, na democracia portuguesa, foi primeiro-ministro de vários governos e Presidente da República (1986-1996).

Esta revelação é feita, 40 anos após o 25 de Abril de 1974, em documentos do Departamento de Estado até agora considerados "secretos" e publicados no volume do departamento histórico do Departamento de Estado sobre a política externa norte-americana, referente aos anos de 1969-1977 (Foreign Relations of the United States -- Volume E-15, part II).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG