JP acusa Costa de "vender valores essenciais da democracia a troco de votos" para o OE

A idade mínima para assistir a uma tourada em Portugal vai passar de 12 para 16 anos, decidiu o Conselho de Ministros na quinta-feira. Em comunicado, a estrutura que representa os jovens do CDS-PP manifestou-se contra esta decisão, argumentando que "a educação compete aos tutores legais das crianças e existem liberdades de escolha, tanto dos pais, como individuais, em Portugal, um país democrático.

A Juventude Popular (JP) criticou hoje o aumento da idade mínima para assistir a touradas, de 12 para 16 anos, acusando o primeiro-ministro de "vender valores essenciais da democracia a troco de votos para o Orçamento do Estado".

A idade mínima para assistir a uma tourada em Portugal vai passar de 12 para 16 anos, decidiu o Conselho de Ministros na quinta-feira. Em comunicado, a estrutura que representa os jovens do CDS-PP manifestou-se contra esta decisão do Governo, argumentando que "a educação compete aos tutores legais das crianças e existem liberdades de escolha, tanto dos pais, como individuais, em Portugal, um país democrático".

Na nota, o presidente da JP, Francisco Camacho, acusou o primeiro-ministro, António Costa, de "vender valores essenciais da democracia a troco de votos para o Orçamento do Estado, num momento chave".

"Para conseguir o apoio do PAN, o primeiro-ministro decide proibir, de forma incompreensível, os menores de 16 anos de assistirem a espetáculos tauromáquicos", salienta o jovem centrista, apelidando esta decisão de uma "verdadeira pancada na liberdade de escolha e de gosto".

Para a JP, "esta restrição vai além do espetáculo em si, é uma liberdade que é posta em causa", temendo que "depois desta, outras se seguirão".

"Aquilo que na realidade estamos a defender é a liberdade. A mesma que ficará em risco quando Bloco e PCP exigirem o fim da autonomia privada a troco de mais um Orçamento", salienta o líder da JP.

No comunicado enviado aos jornalistas com as decisões tomadas na quinta-feira pelo Conselho de Ministros, o Governo explicou que "esta medida surge na sequência do relatório do Comité dos Direitos da Criança das Nações Unidas de 27 de setembro de 2019, que defende o aumento da idade mínima para assistir a espetáculos tauromáquicos em Portugal".

Os 16 anos são também a idade mínima para "o acesso e exercício das atividades de artista tauromáquico e de auxiliar de espetáculo tauromáquico", acrescentou o Governo no comunicado.

Na sequência, o PAN considerou uma "importantíssima vitória" do partido o aumento, de 12 para 16 anos, da idade mínima para assistir a uma tourada em Portugal, indicando que resultou da negociação do Orçamento do Estado.

"Congratulamo-nos com esta importantíssima vitória do PAN que, após diversas reivindicações, vê assim reconhecida a sua preocupação, assistindo ao Governo a dar este passo civilizacional no sentido de proteger as nossas crianças e jovens, evitando expô-las à violência da tauromaquia, tal como já tinha alertado o Comité dos Direitos das Crianças da ONU", afirmou a porta-voz, Inês de Sousa Real, também em comunicado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG