IL pede ao Governo alegados relatórios internos que mostram "falhas e anomalias graves" do SIRESP

O deputado Rui Rocha diz que em causa está a denúncia feita pela Associação de Proteção Civil à PGR "baseada na existência de relatórios internos do SIRESP que evidenciam a existência de falhas e anomalias graves" desta rede de comunicações.

A Iniciativa Liberal (IL) pediu hoje ao ministro da Administração Interna o acesso a alegados relatórios internos sobre o SIRESP que evidenciam "falhas e anomalias graves" deste sistema.

Em declarações à Lusa, o deputado liberal Rui Rocha explicou que em causa está a denúncia feita pela Associação de Proteção Civil (APROSOC) à Procuradora-Geral da República "baseada na existência de relatórios internos do SIRESP que evidenciam a existência de falhas e anomalias graves" desta rede de comunicações.

Segundo o deputado da IL, trata-se de "uma situação grave" e por isso o grupo parlamentar apresentou um requerimento ao ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, para que haja "acesso público a esses relatórios uma vez que se trata de matéria de relevantíssimo interesse público, que tem a ver com a proteção e a segurança dos cidadãos".

"Consideramos que, a existirem tais relatórios, eles devem ser acessíveis para que se possa perceber de que é estamos a falar em concreto e depois ver quais são as posições e as medidas que é necessário tomar", defendeu.

De acordo com Rui Rocha, este pedido ao Governo é feito com base na denúncia desta associação que foi partilhada com a "generalidade dos grupos parlamentares".

"O funcionamento eficiente e atempado de uma rede de comunicações durante situações de emergência é fundamental e as falhas que se têm registado, ao longo dos anos, continuam a comprometer a segurança das populações", defende a IL no requerimento que deu entrada hoje no parlamento.

Para os liberais, "o conhecimento do teor dos relatórios internos que procedem à avaliação e diagnóstico do funcionamento da rede SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) revela-se crucial à atividade de escrutínio político exercida pela Assembleia da República".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG