Deputados do PS repudiam "propósitos intimidatórios" da embaixada russa contra Pedro Abrunhosa

Os deputados socialistas argumentam que músico protestou "à sua maneira e no uso das suas liberdades" contra uma guerra que "dura há demasiado tempo e já causou demasiadas vítimas, destruição e sofrimento".

Um grupo de deputados socialistas posicionou-se em solidariedade com Pedro Abrunhosa e repudiou os "propósitos intimidatórios" emitidos pela representação diplomática da Rússia em Portugal a propósito de um concerto em que o artista protestou contra a guerra na Ucrânia.

Em comunicado, os deputados Francisco César, Paulo Pisco, Nathalie Oliveira, Diogo Leão, Jamila Madeira, João Pedro Matos Fernandes, Tiago Estêvão Martins, Anabela Real, José Iglésias, Eunice Pratas, Maria João, Susana Correia, Gil Costa, Cláudia Santos, que integram a comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, consideram "totalmente inaceitável" o comunicado da embaixada da Rússia em Lisboa contra o artista.

Os deputados socialistas argumentam que Pedro Abrunhosa protestou "à sua maneira e no uso das suas liberdades" contra uma guerra que "dura há demasiado tempo e já causou demasiadas vítimas, destruição e sofrimento".

Os deputados do PS que subscrevem a nota advogam que "os propósitos intimidatórios a um artista" são também uma intimidação "a todos os artistas e cidadãos portugueses, pelo que não é tolerável" que a embaixada "esteja a agir contra os direitos e liberdades consagrados na Constituição".

"Merece, por isso, o nosso mais veemente repúdio", completam.

Para o grupo de socialistas, por mais que a Federação Russa "tente calar a indignação pela bárbara e desumana agressão que a Ucrânia sofre" desde 24 de fevereiro, "as consequências brutais a nível global em termos alimentares e energéticos convocam todas as vozes do mundo livre a condenar a agressão russa e a apelar à paz", acrescentam os socialistas.

Em 02 de julho, durante um concerto em Águeda, no distrito de Aveiro, o cantor e compositor Pedro Abrunhosa condenou a invasão da Rússia à Ucrânia e utilizou a expressão "go fuck yourself" dirigida ao Presidente russo, Vladimir Putin.

"Eu nunca escrevi uma música com meias palavras (...). Eu não escrevi nenhuma música para pedirmos desculpa, eu escrevi uma música para pedirmos justificações", referiu o artista durante o concerto.

A embaixada russa emitiu um comunicado no qual referiu que "as respetivas conclusões serão tiradas" e adiantou que os "gritos vergonhosos" de Pedro Abrunhosa "se enquadram em mais do que um artigo da legislação penal portuguesa".

Face ao comunicado da representação diplomática da Rússia o artista e agência que o representa pediram um posicionamento dos órgãos de soberania portugueses. Vários artistas portugueses já se manifestaram em solidariedade com Pedro Abrunhosa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG