Chega elogia PJ pela trabalho "silencioso" e "eficaz" na detenção de Rendeiro

Direção do partido realça a importância do "reforço de meios da PJ no combate ao crime económico".

O Chega elogiou este sábado a Polícia Judiciária (PJ) pelo seu trabalho "silencioso" e "eficaz" na detenção de João Rendeiro na África do Sul e espera agora que o ex-banqueiro enfrente a justiça portuguesa e cumpra prisão.

"A detenção de João Rendeiro na África do Sul valoriza extraordinariamente o trabalho da nossa PJ, que está de parabéns pelo trabalho intenso, silencioso e extremamente eficaz ", refere um comunicado emitido pela direção nacional do Chega.

Para o Chega, neste caso, "é agora importante que as autoridades judiciárias também façam o seu trabalho e que João Rendeiro enfrente a justiça portuguesa e cumpra o tempo de prisão que lhe foi decretado."

"Este caso realça também a importância, para a qual o Chega tem chamado à atenção, do reforço de meios da PJ no combate ao crime económico. O reforço de meios deve ser uma prioridade no próximo Orçamento do Estado", acrescenta-se nesta nota.

O ex-banqueiro João Rendeiro, sobre quem pendia um mandado de detenção internacional, foi hoje detido na África do Sul. O diretor nacional da PJ, Luís Neves, adiantou que João Rendeiro foi detido às 07:00 locais (05:00 em Lisboa) na República da África do Sul, onde chegou no dia 18 de setembro, adiantando que o ex-banqueiro reagiu com surpresa à detenção "porque não estava à espera".

O objetivo agora é "decretar o cumprimento da prisão" do ex-banqueiro, disse Luís Neves, em conferência de imprensa, na sede da PJ, em Lisboa, adiantando que o ex-banqueiro será presente a tribunal nas próximas 48 horas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG