A questão de Montenegro não ter sido ouvido quanto ao aeroporto: "Pôs-se de fora", diz Nuno Santos

O primeiro-ministro, António Costa, afirmara que a decisão do aeroporto de Lisboa passaria pelo novo líder do PSD, mas ministro das infraestruturas afirma que palavras posteriores de Luís Montenegro demonstraram que não estava na disposição de diálogo.

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, afirmou esta noite que o líder eleito do PSD, Luís Montenegro, se "colocou de fora" do processo de escolha da estratégia para o novo aeroporto de Lisboa, quando acusou o governo de incompetência nesta matéria.

Em declarações à RTP, Nuno Santos afirmou que "houve várias declarações públicas a apelar ao consenso" entre os dois maiores partidos relativamente a esta matéria e, do líder eleito, "a única coisa" que o executivo teve "foi uma declaração, aliás muito desagradável, em que a única coisa que disse foi que o Governo era incompetente e incapaz de decidir".

O chefe do governo, António Costa, prometera mesmo que o executivo só tomaria uma posição sobre o novo aeroporto de Lisboa depois de conversar com o novo líder social-democrata. Esta quarta-feira, após ser conhecida a estratégia adotada pelo governo, fonte do PSD disse à Lusa que Luís Montenegro não foi sequer contactado.

À RTP, Pedro Nuno Santos afirmou que Montenegro "colocou-se de fora e não aproveitou a oportunidade para se disponibilizar" para um consenso." As declarações que fez foram de alguém que se quis por de fora e nós tivemos de decidir", disse, citado pela TSF.

"Não é a primeira vez que o PSD faz isto", reforçou. "Se a liderança do PSD não tivesse alterado aquela que era a posição do partido, o Montijo hoje estava em obras", garantiu ainda o governante.

A 6 de junho, Luís Montenegro disse, em Santarém, registar a "confissão de incompetência" do primeiro-ministro ao manifestar a esperança de ser o PSD "a dar uma solução" à localização do novo aeroporto e à alta velocidade ferroviária.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG