Pacote da habitação em risco. PS pede adiamento das votações

Renda acessível, benefícios fiscais para senhorios: votações de novas medidas na área da habitação deviam começar hoje, mas vão ser adiadas. Não há maioria no Parlamento para aprovar as propostas do governo. PS avançou com novas propostas de alteração

O PS pediu, na noite de quarta-feira, o adiamento das votações das propostas sobre habitação, entre as quais se incluem o programa de renda acessível e a criação de novos benefícios fiscais para os senhorios que optem por aderir a este regime, ou que façam contratos de arrendamento de longa duração. A votação, em comissão parlamentar, deveria iniciar-se esta quinta-feira à tarde.

A decisão dos socialistas surge face ao risco de chumbo das propostas do executivo que estão em cima da mesa. O PCP já avisou que não vota favoravelmente qualquer benefício fiscal aos senhorios - uma medida que o governo já qualificou como essencial - e o voto do Bloco de Esquerda também não está assegurado. No Orçamento do Estado do ano passado, os dois partidos chumbaram medidas idênticas às que estão agora na Assembleia da República.

"Pode não haver aprovação", diz ​​ao DN Helena Roseta, deputada independente pelo PS que lidera o grupo de trabalho sobre habitação, adiantando que o grupo parlamentar socialista e o governo estão em negociações para encontrar uma solução que passe pelo crivo do parlamento. "A situação é difícil", acrescenta Roseta.

As votações vão ficar adiadas até à próxima semana, sendo retomadas na próxima terça-feira (e devendo prolongar-se, pelo menos, para quarta), já depois da entrada do Orçamento do Estado no Parlamento.

Helena Roseta sublinha que se mantém a intenção de fazer as votações a 26 de outubro, dado que depois disso o Parlamento passará a dedicar-se em exclusivo ao Orçamento. "É a última oportunidade que temos", acrescenta a também presidente da Assembleia Municipal de Lisboa. Uma vez que incluem alterações fiscais, as medidas em matéria de habitação têm que entrar no documento que define as contas públicas para o próximo ano. Se isso não se verificar, as medidas terão que passar para o Orçamento do Estado do próximo ano, aplicando-se apenas em 2020, já fora do quadro da atual legislatura.

As dificuldades de aprovação do pacote de medidas que está no Parlamento foram já o pano de fundo do discurso do presidente da Câmara de Lisboa no último 5 de outubro. Fernando Medina disse então que "a maioria que tantas vezes se formou [na Assembleia da República] para assegurar direitos fundamentais que tinham sido postos em causa não pode falhar aqui, no que é fundamental", sublinhando que "já passaram três anos desta legislatura".

"É essencial passar das proclamações inflamadas e das intervenções casuísticas para ações concretas e efetivas, é essencial avançar já", afirmou o autarca lisboeta.

Pessoas em situação vulnerável vão ter prioridade

O PS entregou, entretanto, uma nova proposta de alteração ao diploma que autoriza o governo a avançar com um regime especial de tributação dos rendimentos que resultem dos contratos feitos ao abrigo do Programa de Arrendamento Acessível.

A mudança agora introduzida pelos socialistas dá prioridade de acesso a pessoas em "situações de vulnerabilidade", em função dos "rendimentos" ou "idade igual ou superior a 65 anos ou grau de deficiência igual ou superior a 60%". A proposta acrescenta que podem ser "estabelecidos critérios de prioridade relacionados com a emancipação dos jovens ou com outros fins de interesse público".

Na mesma proposta de alteração é ainda especificado que o enquadramento do programa de Arrendamento Acessível se mantém "durante a vigência do contrato e as suas renovações", o que é válido quer para o valor da renda reduzido (comparativamente com os preços do mercado), quer para os benefícios fiscais aos senhorios.

BE altera proposta sobre bullying imobiliário

Também o Bloco de Esquerda avançou com uma proposta de alteração ao seu próprio projeto que impõe contraordenações aos senhorios que tenham uma prática de assédio sobre os inquilinos, de forma a que estes deixem a habitação. Os bloquistas acolheram no texto as sugestões feitas pela Procuradoria-Geral da República num parecer enviado ao Parlamento.

Na nova redação passa a ser definido como assédio no arrendamento "qualquer comportamento do senhorio ou de quem o represente, dirigido contra o inquilino, com o objetivo de o perturbar ou constranger, afetar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, de perigo, humilhante, desestabilizador ou ofensivo, tudo com vista a prejudicar ou diminuir a fruição do locado e que se destine a provocar o abandono da habitação".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.