Marcelo Rebelo de Sousa apela ao voto. "São quatro anos decisivos na vida de Portugal"

O Presidente da República alerta que a próxima legislatura enfrentará "desafios de peso", por isso, é "urgente votar". Escolhas não faltam, lembra.

O Presidente da República apelou este sábado ao voto nas eleições legislativas de domingo e considerou que "pedir aos portugueses que votem parece justo e mesmo urgente", referindo que "desafios de peso" esperam o próximo Governo e o parlamento. Em causa, segundo o chefe de Estado, estão quatro anos da vida dos portugueses, decisivos para a vida do país. "São quatro anos da vossa vida, da nossa vida. São quatro anos decisivos na vida de Portugal", sublinha.

Numa mensagem ao país de cerca de cinco minutos, Marcelo Rebelo de Sousa notou que a Assembleia da República que sairá das eleições de domingo "vai coincidir com realidades tão relevantes quanto a Conferência Mundial sobre os Oceanos" em Portugal em 2020, "a Presidência Portuguesa da União Europeia em 2021, o revigorar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa com cimeiras em 2020 e 2022, os debates essenciais nas Cimeiras Ibero-Americanas - também em 2020 e 2022 -, os mandatos de portugueses em organizações cruciais".

Também o Governo que estará à frente do país na próxima legislatura terá "desafios de peso pela frente", continuou o chefe de Estado, dando como exemplos a superação dos "efeitos negativos da quebra da natalidade e do envelhecimento das populações, das alterações climáticas e de crises vindas de fora".

"Apostar em mais crescimento, em mais emprego, no combate à pobreza e às desigualdades entre pessoas, mas também entre setores litorais e interiores do continente, e entre áreas deste e as regiões autónomas", são outras missões apontadas.

O Presidente da República assinalou que "assegurar melhor educação e melhor saúde, garantir segurança social para um futuro mais longo", ou "preparar para as mudanças na ciência e na tecnologia que moldarão o futuro" deverão ser igualmente preocupações do próximo executivo.

Escolhas não faltam

"Perante tudo isto, pedir aos portugueses que votem parece justo e mesmo urgente", sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa, repetindo o apelo de maio no âmbito das eleições para o Parlamento Europeu, mas "agora por maioria de razão".

Na sua ótica, não votar é entregar a outros uma decisão que é de cada um e "perder autoridade para contestar".

"Neste dia 5 de outubro, que simboliza liberdade de pensar e de decidir, e também democracia na escolha e na responsabilização de quem manda, o que vos peço é muito simples. Por convicção, por confiança, por rejeição, por realismo, por exclusão de partes, seja qual for a razão do vosso voto, não deixem de votar amanhã", vincou, falando a partir do Palácio de Belém, em Lisboa.

Lembrando que nas anteriores eleições, em maio, "a percentagem dos abstencionistas foi muito elevada", Marcelo Rebelo de Sousa referiu que o apelo de hoje para que os portugueses se dirijam às urnas é feito "com ainda maior empenho".

Para o Presidente da República, "os sinais económicos e políticos preocupantes, no mundo e na Europa, são hoje mais claros do que em maio", e o "relacionamento imediato entre o Reino Unido e a União Europeia é hoje mais indefinido do que em maio".

Também os "efeitos do ambiente internacional" na economia portuguesa "serão, certamente, importantes no período de quatro anos, aberto pelas eleições de amanhã", alertou.

O chefe de Estado assinalou ainda que "o longo período de debate pré-eleitoral e eleitoral permitiu que listas e candidatos se desdobrassem em iniciativas de apresentação ou de confronto de ideias", tendo as entrevistas e debates realizados proporcionado "oportunidades de observação e de ponderação dos eleitores".

"Todos fizeram o que se encontrava ao seu alcance para conquistarem o voto para as suas causas", vincou Marcelo. Os portugueses, acrescentou, dispõem de várias escolhas, que "chegam a 21 nalguns círculos eleitorais".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG