Presidente reúne com chefes militares por causa da nova lei da Proteção Civil

Mal-estar causado nas Forças Armadas pela equiparação do presidente da Proteção Civil a subsecretário de Estado na base do encontro ainda sem data.

O Presidente da República vai receber os chefes militares em breve, na sequência da polémica suscitada pela equiparação do presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) a subsecretário de Estado, confirmou esta terça-feira o DN junto de fontes militares.

Os chefes de Estado-Maior das Forças Armadas opuseram-se frontalmente àquela solução constante da lei orgânica da ANEPC, que coloca o presidente acima dos chefes militares em termos protocolares - tendo o Governo optando por um solução intermédia de limitar esse estatuto apenas a atividades específicas de Proteção Civil.

Fontes militares, ouvidas sob anonimato por não estarem autorizadas a falar sobre o caso, indicaram que o encontro - ainda sem data e revelado esta segunda-feira num artigo de opinião do major-general Carlos Branco, na edição digital do Expresso - foi combinado depois de vir a público que o Conselho de Chefes de Estado-Maior qualificara aquela solução como inaceitável e única entre o conjunto de altas autoridades do Estado.

O caso cresceu com as posições públicas tomadas por altas patentes, como o almirante Melo Gomes e o tenente-general Formeiro Monteiro, depois de o DN noticiar a agitação com que a medida estava a ser recebida no meio militar.

Segundo fontes ouvidas pelo DN, foi sob pressão de Belém que o Governo acabou por impor a referida limitação ao estatuto do presidente da ANEPC , tenente-general Mourato Nunes - conhecido no meio militar por, enquanto comandante-geral da GNR em meados dos anos 2000, defender que esse cargo ficasse equiparado ao dos chefes militares e tivesse direito a quatro estrelas.

O facto é que "a exceção" consagrada na lei da ANEPC continua a ser fator de perturbação numa altura em que se tem reforçado a atuação das Forças Armadas enquanto agentes de Proteção Civil e depois dos trágicos incêndios de 2017.

Daí o admitir-se - como fizeram Melo Gomes ou Carlos Branco - que os chefes militares deixarão de participar em atividades de Proteção Civil, evitando assim ficarem protocolarmente atrás do presidente da ANEPC.

No entanto, no plano operacional, equiparar o presidente da ANEPC a subsecretário de Estado evita problemas de constitucionalidade associados ao papel específico que a Força Aérea passa a desempenhar na gestão e operação dos meios aéreos do Estado em matéria de combate aos fogos.

Dito de outra forma: a lei evita dúvidas e ambiguidades interpretativas - e em termos operacionais - sobre o facto de ser um civil a mandar em tudo o que diga respeito à Proteção Civil, problemas que existem há anos em matéria de atuação das Forças Armadas no território nacional.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.