Mensagem do Presidente. "PSD tem resistido e vai resistir"

Os sociais-democratas assumiram a mensagem de Ano Novo do Presidente da República como reforço da legitimidade de Rui Rio de se mostrar aberto ao diálogo político, mesmo com o governo.

O PSD só reagiu esta quarta-feira à primeira mensagem do ano do Presidente da República. André Coelho Lima, vogal da Comissão Política do partido, enfatizou as palavras de Marcelo sobre a "tolerância" na ação política, sobretudo em ano eleitoral. O que disse legitimar a estratégia e a postura política de Rui Rio de estar disponível para dialogar com o governo, mesmo que sujeito a fortes críticas internas.

"O PSD tem resistido e vai resistir de dizer mal de tudo e de prometer tudo e mais alguma coisa e de entrar no discurso fácil e populista". O dirigente social-democrata fazia apelo à frase de Marcelo sobre o modo como os partidos se devem comportar: "Debatam tudo, com liberdade, mas não criem feridas desnecessárias e complicadas de sarar".

André Coelho Lima frisou esse apelo à "tolerância política", que disse ir ao encontro do discurso do líder do PSD. "É muito a marca de Rui Rio, que até se tem exposto a algumas críticas", disse na sede nacional do partido. Lembrando também o apelo do Presidente ao voto dos portugueses. "O PSD tem sabido ser oposição séria e responsável e é a postura que os portugueses esperam de um partido da oposição", garantiu.

O dirigente social-democrata preferiu não dar destaque ao apelo de Marcelo Rebelo de Sousa para que os partidos tenham cuidado na escolha dos candidatos e aos políticos que revejam o seu passado para evitar o descrédito das instituições. Talvez porque as últimas polémicas a envolver políticos, em particular deputados, atingiu o PSD.

Coelho Lima preferiu incidir sobre as palavras de Marcelo que podem atingir o governo de António Costa, em particular sobre a necessidade de preparar a economia para o futuro e sobre o facto de em Portugal um quinto da população ainda se encontrar na pobreza. "Esta tem de ser a preocupação nuclear da ação política e não o autoelogio da mensagem do primeiro-ministro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.