Mensagem do Presidente. "PSD tem resistido e vai resistir"

Os sociais-democratas assumiram a mensagem de Ano Novo do Presidente da República como reforço da legitimidade de Rui Rio de se mostrar aberto ao diálogo político, mesmo com o governo.

O PSD só reagiu esta quarta-feira à primeira mensagem do ano do Presidente da República. André Coelho Lima, vogal da Comissão Política do partido, enfatizou as palavras de Marcelo sobre a "tolerância" na ação política, sobretudo em ano eleitoral. O que disse legitimar a estratégia e a postura política de Rui Rio de estar disponível para dialogar com o governo, mesmo que sujeito a fortes críticas internas.

"O PSD tem resistido e vai resistir de dizer mal de tudo e de prometer tudo e mais alguma coisa e de entrar no discurso fácil e populista". O dirigente social-democrata fazia apelo à frase de Marcelo sobre o modo como os partidos se devem comportar: "Debatam tudo, com liberdade, mas não criem feridas desnecessárias e complicadas de sarar".

André Coelho Lima frisou esse apelo à "tolerância política", que disse ir ao encontro do discurso do líder do PSD. "É muito a marca de Rui Rio, que até se tem exposto a algumas críticas", disse na sede nacional do partido. Lembrando também o apelo do Presidente ao voto dos portugueses. "O PSD tem sabido ser oposição séria e responsável e é a postura que os portugueses esperam de um partido da oposição", garantiu.

O dirigente social-democrata preferiu não dar destaque ao apelo de Marcelo Rebelo de Sousa para que os partidos tenham cuidado na escolha dos candidatos e aos políticos que revejam o seu passado para evitar o descrédito das instituições. Talvez porque as últimas polémicas a envolver políticos, em particular deputados, atingiu o PSD.

Coelho Lima preferiu incidir sobre as palavras de Marcelo que podem atingir o governo de António Costa, em particular sobre a necessidade de preparar a economia para o futuro e sobre o facto de em Portugal um quinto da população ainda se encontrar na pobreza. "Esta tem de ser a preocupação nuclear da ação política e não o autoelogio da mensagem do primeiro-ministro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.