Marcelo quer diferendo com os professores resolvido até ao Orçamento

Presidente da República diz que o melhor seria fechar a questão até ao final de setembro

Marcelo Rebelo de Sousa quer que o diferendo entre governo e os professores, quanto ao descongelamento da carreira docente, seja resolvido ainda neste mês de setembro ou, o mais tardar, até à apresentação do Orçamento do Estado para 2019, marcada para 15 de outubro. Em entrevista a Daniel Oliveira, no 'podcast' Perguntar não ofende, o Presidente da República é claro: "Penso e desejo que a questão seja resolvida antes do Orçamento do Estado".

Marcelo até diz que "o melhor seria fechar esse dossier no mês de setembro, antes de se passar para o dossier Orçamento". Isto porque, explica o chefe do Estado, o desfecho que vier a ser encontrado terá implicações orçamentais, que não se esgotam nesta questão - dependendo do resultado final das negociações, a solução poderá ser mais exigente do ponto de vista financeiro ou "mais repartida por outras áreas da governação".

Em causa está o descongelamento das carreiras dos professores. Os sindicatos exigem a recuperação integral do tempo em que as carreiras estiveram congeladas - nove anos, quatro meses e dois dias -, uma pretensão que o governo tem vindo a negar, alegando que a medida teria um custo incomportável para os cofres públicos. Em alternativa, o executivo avançou com a proposta de contabilizar dois anos, nove meses e 18 dias, que os professores consideram inaceitável.

PCP e Bloco de Esquerda alinham com a pretensão dos sindicatos. Esta semana, em entrevista à agência Lusa, Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do BE, sublinhava que "no que toca à questão dos professores, falta ainda resolver-se a estabilidade da escola pública e a estabilidade da carreira que decorre do descongelamento. É uma matéria que gostaríamos de ver resolvida antes do OE2019, mas que o Governo está a empurrar para a frente e que nós já dissemos que se chegar ao orçamento, será algo que nós resolveremos de vez no orçamento".

"A legislação que existe é para 2018 e atribui um mandato ao Governo para negociar com as estruturas sindicais como e quando fazer esse descongelamento de carreiras", sublinhou o deputado bloquista.

Antes, também em entrevista à Lusa, o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, tinha já defendido que "foi aprovada uma lei do Orçamento do Estado que contém regras que têm de ser aplicadas e é isso que o Governo tem de fazer". "O Orçamento do Estado para 2018 é claro em relação a isso: o tempo de serviço conta. Aquilo que tem de ser discutido com os sindicatos é o modo e o prazo em que é feito o pagamento da valorização remuneratória que resulta dessa contagem de tempo integral".

A próxima reunião entre os professores e o Ministério da Educação está marcada para amanhã. A Fenprof já avisou que, se o encontro for inconclusivo, avança para uma greve dos professores na primeira semana de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.