Manuel Alegre em jantar do Bloco de Esquerda

O pretexto é uma homenagem ao ex-líder bloquista João Semedo, que morreu há um ano. E que acontece "poucos dias depois do anúncio do acordo à esquerda para uma nova Lei de Bases da Saúde".

O histórico socialista Manuel Alegre participa esta quarta-feira à noite num jantar do Bloco de Esquerda com profissionais de saúde, quando se assinala um ano da morte de João Semedo, que foi líder bloquista.

A iniciativa é intitulada "Um ano sem João Semedo, profissionais da saúde celebram a vitória da persistência". A convocatória regista a coincidência da data da morte de Semedo, "poucos dias depois do anúncio do acordo à esquerda para uma nova Lei de Bases da Saúde, cuja proposta inicial partiu de João Semedo e António Arnaut", fundador do PS, chamado de "pai do Serviço Nacional de Saúde" e que também morreu no ano passado, em 21 de maio.

Manuel Alegre será um dos cinco oradores do jantar na Casa do Alentejo. Antes do socialista intervêm Constantino Sakellarides, hoje professor jubilado da Escola Nacional de Saúde Pública, Cipriano Justo, médico e fundador da Renovação Comunista, e Teresa Gago, que foi vereadora em Cascais pelo PS até 2017 e é dirigente associativa do Movimento Não Apaguem a Memória.

A última intervenção cabe a Catarina Martins, a coordenadora do Bloco, que nas últimas semanas manteve uma tensa troca de palavras com dirigentes socialistas, António Costa incluído, por causa da discussão da Lei de Bases.

Só na sexta-feira houve fumo branco na geringonça para um acordo na proposta de lei que será votada no Parlamento na sexta-feira, dia 19. Agora, os bloquistas recordam o processo, recuperando a proposta que António Arnaut e João Semedo fizeram em janeiro de 2018 de "Salvar o SNS - uma nova Lei de Bases da Saúde para defender a Democracia", que era o título do livro então lançado. À época, Manuel Alegre esteve na apresentação deste livro.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.