Juventude Socialista: uma fábrica de políticos profissionais

Congresso da Juventude Socialista alvo de providência cautelar para impedir eleição de Maria Begonha. Mais uma polémica, no percurso da jovem socialista que se prepara para chegar a um cargo que, historicamente, assegura carreira política.

Funções de destaque no Governo, no Parlamento e no poder local, no partido. A liderança da Juventude Socialista (JS), neste fim de semana discutida em Almada no XXI congresso nacional da organização, tem sido um viviveiro de políticos profissionais ou, pelo menos, políticos fortemente empenhados, mesmo que não vivendo de ordenados públicos.

Envolta em polémica, se a nova secretária-geral, Maria Begonha, não conseguir catapultar-se para a política profissional permanente, será uma excepção à regra. Um excepção que, no entanto, até se poderá explicar facilmente. Se aos líders da JS nunca faltaram polémicas, Maria Begonha fez-se notícia antes da eleição que agora até poderá estar em risco - segundo o Observador, militantes socialistas entregaram na passada sexta-feira uma providência cautelar para suspender os trabalhos do congresso.

A corrida de Maria Begonha à liderança da Juventude Socialista tem sido tudo menos pacífica. Nos últimos meses, a candidata viu-se envolvida em várias polémicas. Primeiro, foi a biografia publicada na página oficial da candidatura, onde surgia um mestrado que a jovem socialista frequentou, mas não concluiu. O caso seria reduzido a um erro de transcrição, mas acabaria por conduzir à demissão do diretor da campanha. Depois, foi notícia que Maria Begonha, ao candidatar-se a um cargo na Câmara de Lisboa, tinha escrito no currículo que foi "assessora na área de Políticas Públicas Autárquicas" na Junta de Freguesia de Benfica. Acontece que os documentos oficiais - e a própria presidente da junta - dizem que foi contratada para exercer "serviços de apoio ao secretariado". Polémicas suficientes para que o Ministério Público tenha aberto abriu entretanto um inquérito aos erros e incongruências no currículo da candidata.

O próprio congresso já havia sido alvo de um pedido de impugnação, por alegadas irregularidades, mas o pedido acabria indeferido pelo Conselho de Jurisdição por ter entrado fora dos prazos legais, mas admitia que a reunião da Comissão Nacional que marcou o congresso não estava habilitada a tomar essa decisão. Agora, segundo o Observador, João Tiago Pinto, militante da juventude partidária, intrepôs uma providência cautelar com vista a travar a eleição de Begonha - prevista para este Domingo.

Quem foram então, e o que fazem na política, os ex-líderes da JS?

Alberto Arons de Carvalho

Fundador do PS em 1973, foi o primeiro secretário-geral da JS, de 1975 a 1978. Foi jornalista e depois passou para o ensino universitário de Comunicação Social, que ainda exerce. Foi deputado e secretário de Estado da Comunicação Social durante os governos de António Guterres. Aos 69 anos, é um dos dois ex-líderes da JS fora da política ativa.

José Leitão

Advogado, liderou a JS entre 1978 e 1981. Foi deputado e alto comissário para as migrações, uma sua área de interesse permanente. Mantém-se na política ativa como líder do PS na Assembleia Municipal de Lisboa.

Margarida Marques

De 1981 a 1984, a organização teve uma mulher à frente, Margarida Marques. Especialista em questões europeias, chegou a dirigir a representação da Comissão em Lisboa. No atual Governo, foi secretária de Estado dos Assuntos Europeus, desde o início da legislatura até julho do ano passado. Deixou o executivo em circunstâncias nunca inteiramente explicadas - não se demitiu, foi demitida - e agora é deputada na AR, sendo uma das principais porta-vozes da bancada nas questões

José Apolinário

Liderou a organização de 1984 a 1990, um tempo marcado por relações difíceis com o partido. Foi deputado na AR durante várias legislaturas, eurodeputado e é atualmente secretário de Estado das Pescas, cargo que desempenha pela segunda vez (a primeira foi num governo de Guterres).

António José Seguro

O líder da JS que mais longe chegou na estrutura do partido - foi secretário-geral do PS de 2011 a 2014 - é um dos dois ex-chefes da organização de juventude dos socialistas fora da política ativa. Seguro, atualmente professor universitário, bem como empresário no setor do turismo e da segurança alimentar, dirigiu a JS entre 1990 e 1994. Vem desse tempo a sua animosidade com António Costa (recíproca, aliás). A guerra entre os dois só acabaria em 2014 quando, após umas eleições europeias em que o PS ganhou por "poucochinho", Costa lhe desafiou a liderança do partido. Pela primeira vez, o secretário-geral do partido foi escolhido numa eleição também aberta a simpatizantes do PS (e não apenas militantes). Costa venceu. Seguro retirou-se da vida política.

Sérgio Sousa Pinto

Catapultou a JS, que liderou de 1994 a 2000, para níveis inéditos da projeção pública com a campanha que protagonizou em defesa da despenalização do aborto.

O líder do PS, António Guterres, católico militante, tirou-lhe o tapete, acordando com o então líder do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa, um referendo à proposta, em 1998. O "não" acabou por vencer. A despenalização do aborto só seria aprovada em 2007, com um segundo referendo, onde desta vez o "sim" venceu. Sérgio Sousa Pinto integrou a direção de António Costa no PS mas abandonou-a em desacordo com os acordos da "geringonça" e com o facto de Costa ter formado Governo mesmo tendo perdido as eleições. É deputado na AR e presidente da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros.

Jamila Madeira

Tornou-se, em 2000, na segunda mulher a dirigir a JS, depois de Margarida Marques. Conquistou a liderança num dos congressos mais disputados da JS, contra Ana Catarina Mendes. Esta é hoje a chefe incontestada do aparelho do PS, como secretária-geral adjunta do partido. Jamila Madeira, que deixou de ser secretária-geral da JS em 2004, já foi eurodeputada e hoje é deputada na Assembleia da República.

Pedro Nuno Santos

De 2004 a 2008 a JS foi liderada por Pedro Nuno Santos. Como secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, é hoje considerado uma peça-chave no funcionamento da "geringonça" - uma solução política de que é um dos principais defensores dentro do partido. É por ele que passam grande parte das negociações entre os quatro partidos que dão suporte maioritário ao governo do PS. No último congresso nacional do partido, em maio passado, tornou-se evidente que Pedro Nuno Santos ambiciona suceder a António Costa na liderança do partido. O seu perfil "esquerdista" suscita reservas nos setores mais centristas do partido, que têm em Fernando Medina (presidente da Câmara Municipal de Lisboa) e Augusto Santos Silva (MNE) duas das suas principais figuras de referência. Pedro Nuno Santos foi de tal forma vocal a afirmar as suas ambições que António Costa teve de, nesse congresso, fazer um"aviso": "Não meti os papéis para a reforma."

Duarte Cordeiro

Liderou a JS de 2008 a 2010, numa linha de continuidade face a Pedro Nuno Santos. Foi deputado na Assembleia da República. Desde 2013 que é vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Será uma voz a ter em conta na sucessão de António Costa.

Pedro Delgado Alves

Assim como Duarte Cordeiro representou a continuidade em relação a Pedro Nuno Santos, também Pedro Delgado Alves representou o mesmo face a Duarte Cordeiro. Liderou a JS de 2010 a 2012. É deputado na AR e um dos mais importantes legisladores da bancada, além de presidente da Junta de Freguesia do Lumiar.

João Torres

Liderou os jovens socialistas de 2012 a 2016, foi deputado na AR e hoje é secretário de Estado da Defesa do Consumidor. Empenhou-se a defender propostas como a da legalização da prostituição, controlo pelo Estado da produção e venda de drogas leves e limitação legal das diferenças salariais nas empresas entre funcionários de topo e funcionários de base.

Ivan Gonçalves

O líder que hoje vai cessar funções, para dar o lugar a Maria Begonha, é deputado na AR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.