"A melhor prova do pudim é comê-lo." Jerónimo e Costa não se hostilizaram

No primeiro debate das eleições de 6 de outubro, os líderes do PS e do PCP traçaram algumas divergências insanáveis mas não fecharam a porta a qualquer entendimento futuro. Serão os eleitores a decidir, concordaram.

Se "a melhor prova do pudim é comê-lo", como se explicou Jerónimo de Sousa, PCP e PS já sabem o que esperar e com o que contar para uma futura relação. Para os comunistas, o caminho passa - disse-o o secretário-geral do PCP no primeiro debate antes das eleições legislativas - por reforçar a votação da CDU, a coligação eleitoral que junta PCP e PEV. Já António Costa evitou pedir a maioria absoluta, à frente de quem lhe deu um apoio parlamentar ao longo destes quatro anos, dizendo que cabe aos portugueses decidir quem e como governará.

O socialista traçou as linhas que separam socialistas e comunistas logo a abrir: "Apesar das divergências insanáveis", houve "condições para trabalharmos" e "tudo o que assinámos foi cumprido". Mas, registou Costa, "houve matérias sobre as quais nunca nos iríamos entender e nem abrimos a discussão", lembrando o exemplo da eventual saída da NATO.

Jerónimo de Sousa preferiu traçar outras linhas sem acordo possível: a legislação laboral ou a reutilização dos manuais escolares, que para o PCP está a correr mal (com o fornecimento de manuais rabiscados e pintados).

No campo laboral, a divergência foi de facto insanável: Jerónimo insistiu que as novas leis abrem a porta a mais precariedade, Costa recusou que assim fosse. E o socialista lembrou que a legislação não foi aprovada pela direita. "Abstiveram-se", replicou Jerónimo, entre um encolher de ombros.

Costa afastou a sugestão de que valorizou os comunistas em detrimento dos bloquistas para os menorizar. "Não queria diminuir a exigência que o PCP sempre pôs nesta relação", afirmou.

Jerónimo de Sousa que já tinha desconfiado publicamente destes elogios - por trazerem "água no bico" - disse que uma "questão de respeito não pode ser confundida com questões políticas muito importantes". E sublinhou que "manteria a mesma franqueza e seriedade" com o PS e António Costa, que manteve nestes quatro anos. E "confiança", acrescentou, depois da insistência da moderadora do debate na SIC, Clara de Sousa.

"Preferimos valorizar aquilo que se conseguiu num quadro muito exigente", de recuperação de "direitos que muitos consideravam perdidos", apontou o líder comunista. Recordando um dito da sua mãe, "a melhor prova do pudim é comê-lo", Jerónimo explicou-se: "Quando se fala de comer do pudim estamos a falar do que foi alcançado." E isso é que lhe interessa, mais do que fazer grandes considerações sobre a relação entre os partidos à esquerda.

O comunista defendeu que o PCP "não perdeu" com a geringonça. "Os resultados falam por si." Para logo depois pedir "o reforço da CDU", a coligação eleitoral que junta PCP e PEV. Esse reforço "tem a ver com aquilo que foi alcançado" e que não pode significar qualquer recuo: "Ou avançamos ou andamos para trás."

Sobre repetir a atual solução parlamentar, Jerónimo foi taxativo: "A conjuntura será diferente, não será igual, é incontornável." Mas deixou uma certeza, sobre aprovar orçamentos de um eventual governo socialista, que sejam mais restritivos, respondendo como respondeu nos últimos quatro anos. "É um exercício difícil. É perante os conteúdos concretos que decidiremos." Com o aviso de que não vão deixar que se volte para trás.

António Costa concordou com o seu interlocutor, recusando que tenha dito que a atual solução não seja para manter, ainda que em moldes a acertar. "Nunca disse que nunca era para manter." Mas serão os eleitores a decidir: "Em função dos resultados, veremos o que se fará." Para deixar uma certeza: "Orgulhamo-nos de chegar ao final de quatro anos e termos cumprido tudo o que assumimos com os portugueses, com os nossos parceiros e com a União Europeia."

Onde Jerónimo saudou Costa foi quando o primeiro-ministro e líder socialista reconheceu que é preciso procurar "fazer um acordo mais amplo", que leve a um aumento dos salários (não apenas do salário mínimo nacional). "Não é aceitável que os salários médios não tenham um aumento mais significativo", apontou António Costa. Para Jerónimo de Sousa notar: "Aparentemente há aqui uma convergência."

Centeno não fica no banco dos suplentes. Jerónimo continua na luta

No final, perante a questão se o secretário-geral do PS conta com Mário Centeno para continuar como ministro das Finanças, António Costa começou por ser evasivo. "A primeira questão é se saber se serei primeiro-ministro", depois será necessário "respeitar" a vontade dos cidadãos sobre "quem deve governar, como deve governar" e só fará "os convites para o governo", quando "tiver legitimidade para o fazer". Por fim, perante a insistência, deixou uma garantia: "Quem tem que formar uma equipa não deixa no banco os melhores jogadores."

Já Jerónimo de Sousa explicou que "a questão do secretário-geral" do PCP "não está posta" e que continuará líder do partido enquanto os seus camaradas o entenderem. "Reduzir a minha atividade pensando apenas em resultados de eleições", disse, é pouco, e nem os militantes do PCP avaliam assim a sua liderança.

Este primeiro debate a caminho das eleições legislativas de 6 de outubro é também uma das poucas ocasiões em que se verá Jerónimo de Sousa. Como as televisões decidiram que só os debates com António Costa e/ou Rui Rio seriam em canal em aberto - com todos os restantes nos canais informativos no cabo (RTP 3 + SIC Notícias + TVI 24) - o PCP recusou-se a marcar presença nesses frente-a-frente. Jerónimo marcará só presença nos debates a seis.

Para os comunistas, isto "não garante princípios básicos de imparcialidade", dada a "diferenciação de oportunidades atribuída a cada força política", algo "facilmente mensurável pela abissal diferença de audiências que se propiciam a uns e se negam a outros", tudo se conjugando num "tratamento desigual assumido na sua conceção garantindo uma organização de debates baseada em partidos de primeira (PS e PSD) e de segunda categoria".

Nos próximos dias será possível ver outros debates:

3 setembro - Catarina Martins - Assunção Cristas (RTP 3);
5 setembro - Rui Rio - Assunção Cristas (SIC);
6 setembro - António Costa - Catarina Martins (RTP 1);
7 setembro - Catarina Martins - André Silva (SIC Notícias).