Falta de meios, pessoas e formação condiciona a investigação

Procuradora-Geral da República defende coordenação entre equipas, mesmo a nível internacional, para fazer face à complexidade de fenómenos como o cibercrime e os crimes transnacionais. E alerta que lentidão da justiça se deve muito à "falta de meios gritante"

Entre os maiores desafios que a justiça enfrenta, há um que se destaca pela sua relevância e urgência: a necessidade de reforçar e adequar meios e equipas à complexidade que o crime adquiriu. A leitura é da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, que ontem sublinhou a "falta de meios clara e gravosa, designadamente na Judiciária" como fator de atraso e maior dificuldade na investigação dos processos.

Num jantar promovido pelo grupo Portugal XXI - Ideias para Portugal no século XXI ("think tank fundado por 21 cidadãos com diferentes experiências profissionais e sensibilidades políticas mas com um interesse comum, a causa pública"), no hotel Sheraton, a Procuradora reforçou que os resultados que têm sido conseguidos são "fruto da enorme capacidade de trabalho" dos profissionais, mas é preciso - é urgente - melhorar as condições para que se possa melhorar.

"Há uma falta de meios clara e gravosa, designadamente na Polícia Judiciária", afirmou. E especificou: "Há falta de recursos humanos, de meios informáticos, de equipamentos (muitos estão obsoletos), de formação específica para o tipo de crimes com que se ida hoje em dia. E os resultados que ainda assim são conseguidos, são fruto de uma enorme capacidade de trabalho."

Apontando como um dos maiores desafios para o futuro a necessidade de ter ferramentas que permitam dar resposta à "complexidade da criminalidade de hoje - resultante da própria natureza dos crimes e de fenómenos transnacionais como a cibercriminalidade" -, a PGR defende uma "abordagem integrada aos processos, com magistrados que saibam trabalhar em equipa". E dá como exemplo casos particularmente complexos, como o casso BES, cujas diferentes faces correm em diferentes tribunais - tem investigação criminal, a insolvência corre no Tribunal de Comércio, tem uma vertente de concorrência, enfrenta sanções do Banco de Portugal, processos cíveis, fiscais, etc. "Ninguém vai entender se um mesmo facto for dado como provado num tribunal e não noutro. É por este tipo de processos que a constituição de equipas e abordagens conjuntas é relevantíssima."

Outra ambição de Joana Marques Vidal é que se constituam equipas mesmo na própria jurisdição - "processos tão complexos tutelados apenas por um magistrado é uma coisa impensável, e esta exigência dos tempos será cada vez maior". E lembra que há "equipas conjuntas lá fora com policias e magistrados estrangeiros; isso é algo que precisamos de trazer para a nossa justiça, por que o futuro vai cada vez mais exigir uma forte capacidade de cooperação judiciária internacional".

Também a autonomia financeira do Ministério Público é um preocupação realçada pela Procuradora-Geral. Se aprofundada, seria possível - e é desejável - "uma capacidade de intervenção mais ativa", acredita. Sublinhando a importância para a democracia da independência de funções do Ministério Público, Joana Marques Vidal defendeu o modelo português como o mais equilibrado sobretudo pela sua autonomia.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.