Europeias. JSD quer líder da maior organização de juventude da Europa como candidata

Lídia Pereira, presidente do maior força de juventude da Europa, o YEPP, foi o nome indicado pela JSD para
a lista de candidatos do PSD às europeias.

A juventude liderada por Margarida Balseiro Lopes indicou a Rui Rio o nome da recém-eleita presidente do YEPP, a juventude do Partido Popular Europeu, para integrar a lista de candidatos do partido ao Parlamento Europeu.

Ana Lídia Pereira, de 27 anos, foi eleita no início de janeiro para aquele cargo, depois de ter sido candidata única. A portuguesa vive em Bruxelas e era uma das vice-presidentes da organização de juventude do PPE. Foi em Coimbra que entrou para a JSD, onde teve vários cargos. É mestre em estudos económicos europeus pelo Colégio da Europa, de Bruges, e consultora sénior na Deloitte, depois de ter passado pela Ernest&Young e pelo Banco Europeu de Investimento.

"A JSD vê na Lídia Pereira a escolha certa e uma mais-valia para integrar a lista do Partido Social Democrata (liderada por Paulo Rangel) para as europeias 2019. Estamos certos de que a Lídia irá lutar pelos jovens europeus, tanto pelos seus direitos como pelas suas necessidades, no Parlamento Europeu", indica o comunicado.

A JSD assinala também que "Lídia Pereira personifica o jovem europeu", através de "uma qualificação invejável, uma participação cívica ativa e uma predisposição para a globalização".

Citada pelo comunicado, Lídia Pereira referiu - na altura em que se candidatou à presidência do YEPP - que as eleições para o Parlamento Europeu são um "grande desafio", mas também uma "oportunidade única de afirmar uma Europa digital e humanista, sustentável e atenta às alterações climáticas, que se preocupa com um novo contrato social com igualdade de direitos e oportunidades para todas as gerações".

São 51 as organizações membros do YEPP e pretendem influenciar a formação das suas sociedades com ideias de centro-direita, democracia-cristã e ideais conservadores. O YEPP reúne entre um e dois milhões de jovens em 38 países da Europa, o que o torna a maior organização política juvenil na Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?