Deputados mortos na I Guerra Mundial serão homenageados

PS quer evocar na Assembleia da República os parlamentares João Francisco de Sousa, José Afonso Palla e José Botelho de Carvalho Araújo com descerramento de placa.

João Francisco de Sousa, José Afonso Palla e José Botelho de Carvalho Araújo são três deputados que morreram na I Guerra Mundial que o PS quer agora homenagear na Assembleia da República, agora que se aproxima o final das evocações da Grande Guerra. Os dois primeiros morreram na sequência de combates em Môngua, no sul de Angola, e o terceiro num confronto com um submarino no oceano Atlântico.

Num projeto de resolução, sublinhando que "a Assembleia da República é um local de celebração da memória coletiva do povo português" e que "a participação de Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 foi um fenómeno de relevância nacional", os socialistas explicam que esta homenagem passará pelo descerramento de uma placa evocativa que perpetue os nomes e a sua memória na história parlamentar portuguesa.

"Entre 2014 e 2018", descreve a exposição de motivos deste projeto de resolução, "a Assembleia da República promoveu diversificadas evocações do centenário da Grande Guerra, num contributo ativo e valioso para o esclarecimento público e para a consagração da memória nacional em torno deste conflito na sua frente europeia da Flandres e nos teatros africanos do sul de Angola e do norte de Moçambique, territórios fronteiros das colónias alemãs".

Segundo o projeto, assinado à cabeça pelos deputados Diogo Leão, Carlos César e Marcos Perestrello, "cabe à Assembleia da República consagrar, em nome e para honra do parlamentarismo português, os nomes dos três ilustres parlamentares que sacrificaram a vida no decurso de combates".

João Francisco de Sousa era capitão de infantaria e foi eleito senador da República em 1915 pelo círculo de Ponta Delgada. Morreu em combate na Môngua (por vezes grafada como Mongua), em 19 de agosto de 1915, no sul de Angola. O historiador Filipe Ribeiro de Menezes descreveu-a como "uma das maiores batalhas campais entre tropas africanas e europeias" e que René Pélissier descreveu também como "a única vitória franca e decisiva do Exército Português metropolitano em África".

O major de artilharia José Afonso Palla, descrito pelo PS como "ilustre republicano e herói do movimento revolucionário de 5 de outubro de 1910", deputado à Assembleia Nacional Constituinte em 1911 e reeleito deputado em 1915 pelo círculo de Lisboa, morreu na sequência de ferimentos fatais recebidos na batalha de Môngua.

José Botelho de Carvalho Araújo, deputado à Assembleia Nacional Constituinte e reeleito deputado ao Congresso da República em 1915, era primeiro-tenente da Marinha. Como comandante do caça-minas NRP Augusto de Castilho enfrentou um submarino alemão que tinha começado a atacar o vapor São Miguel, em 14 de outubro de 1918. Durante os combates entre o barco português e a embarcação alemã, Carvalho Araújo foi morto. O NRP Augusto de Castilho acabou afundado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.