Dez anos de Face Oculta: Da investigação à prisão de Armando Vara

A investigação começou em 2009, ano em que Armando Vara foi constituído arguido no processo Face Oculta. Condenado em 2014 a cinco anos de prisão, o ex-ministro socialista vai para a cadeia quase quatro anos e meio depois

Abril de 2009

Início da investigação no DIAP do Baixo Vouga, em Aveiro. O processo Face Oculta investigou casos de corrupção e outros crimes económicos de um grupo empresarial de Ovar do sucateiro Manuel Godinho e as suas relações com empresas como EDP, REFER e REN, além do ex-ministro Armando Vara.

Setembro de 2009

PJ desencadeou operação com buscas em Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Lisboa, Oeiras, Sines, Alcochete, Faro, Ponte de Sor e Viseu. Culminou com a detenção de Manuel Godinho e a constituição de 12 arguidos, entre eles altos quadros da REN, REFER e EDP. Armando Vara é constituído arguido no dia seguinte (29 de Setembro de 2009).

Novembro de 2009

Surgem as primeiras notícias sobre as escutas no processo a envolver o então primeiro-ministro José Sócrates em conversas com Armando Vara. Nasce a polémica com as certidões pedidas pelo Ministério Público para investigar José Sócrates por atentado ao estado de Direito, por alegadamente planear a compra da TVI para silenciar críticas. A Procuradoria faz um comunicado confirmando a nulidade das escutas envolvendo o primeiro-ministro e a ordem de destruição das mesmas.

Outubro de 2010

Inquérito é encerrado com acusação a 36 arguidos - 34 pessoas e duas empresas - por associação criminosa, corrupção, participação económica em negócio e tráfico de influências, entre outros ilícitos. Armando Vara, ex-ministro socialista e que se demitiu da administração do Millennium BCP, é acusado de três crimes de tráfico de influência.

Janeiro de 2011

Teve início a fase de instrução criminal, pedida por arguidos, que decorreu em Lisboa no Tribunal Central de Instrução Criminal presidida pelo juiz Carlos Alexandre.

Março de 2011

O juiz Carlos Alexandre decidiu levar a julgamento os 36 arguidos do processo Face Oculta, mantendo a acusação do MP. Vara responde por três acusações de tráfico de influência.

Novembro de 2011

Início do julgamento que irá durar dois anos e dez meses, com 188 sessões realizadas.

Setembro de 2014

A sentença de primeira instância do Processo Face Oculta condenou Armando Vara, Manuel Godinho, José Penedos e Paulo Penedos, Paiva Nunes e um conjunto de funcionários da Refer, entre outros, a penas de prisão efetivas. Foram condenados 34 arguidos individuais e 2 coletivos. Não houve absolvições. Ex-ministro socialista foi condenado a cinco anos de prisão efetiva por três crimes de tráfico de influência por alegadamente ter recebido cerca de 25 mil euros em 2009 (mais prendas superiores a sete mil euros entre 2004 e 2008) para exercer influência a favor do sucateiro Manuel Godinho.

Abril de 2017

Tribunal da Relação do Porto confirma condenações, não sendo absolvido nenhum dos 31 arguidos que recorreram. Pena de Vara mantém-se nos cinco anos de prisão efetiva. Manuel Godinho tem a pena reduzida para 15 anos. José Penedos e Paiva Nunes viram também as penas reduzidas: três anos e três meses para o primeiro e quatro anos de prisão efetiva para o segundo.

Junho de 2018

O Supremo Tribunal de Justiça reduziu de 15 anos e dez meses para 13 anos de prisão a pena aplicada ao ex-sucateiro Manuel Godinho, principal arguido no processo. Armando Vara não podia recorrer para o Supremo, apesar de ter tentado, por ter uma pena inferior a oito anos.

Julho de 2018

Vara reclama da decisão de Tribunal Constitucional que negou o seu recurso. A execução da pena fica mais próxima.

Novembro de 2018

Com todos os recursos e reclamações a serem negados, Armando Vara admite que irá cumprir a pena de prisão.

Janeiro de 2019

Tribunal de Aveiro recebe o processo após os recursos de Armando Vara estarem esgotados. Juíza Marta de Carvalho tem de determinar a execução da pena de prisão mas a falta de apensos no envio pelo Tribunal da Relação do Porto atrasa a tomada de decisão. Passaram quatro anos e cinco meses desde a condenação a cinco anos de prisão no julgamento em primeira instância.

16 de janeiro de 2019

Armando Vara entrega-se no estabelecimento prisional de Évora, às 17.00, para cumprir uma pena de prisão de cinco anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.