Costa chegou acompanhado de Pedro Marques e nem foi preciso anunciar o candidato do PS

O ainda ministro do Planeamento e Infraestruturas será o cabeça-de-lista dos socialistas às eleições de 26 de maio. Convenção serve de cartão de apresentação oficial de Pedro Marques como o n.º 1 da lista. Acompanhe em direto.

Se dúvidas houvesse, elas foram dissipadas à chegada do Pavilhão Municipal de Gaia, onde este sábado o PS realiza a sua Convenção para as Europeias: António Costa chegou acompanhado de Pedro Marques, o ainda ministro do Planeamento e Infraestruturas que será o cabeça-de-lista dos socialistas às eleições de 26 de maio. Ao lado de Costa e de Marques, o presidente do PS, Carlos César, e o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Aos gritos de "PS, PS, PS", com jovens como pano de fundo e uma imensa tela a anunciar "Somos Europa", o cenário e o registo é já o de uma campanha eleitoral. António Costa anda há sete semanas na estrada, em convenções regionais, que hoje culminam na convenção nacional que serve de cartão de apresentação oficial de Pedro Marques como o n.º 1 da lista.

Com a saída do ministro do Governo, o chefe do executivo socialista terá de mexer na sua equipa. E o primeiro-ministro já confirmou que "já está tudo acertado com o senhor Presidente da República e a Presidência da República": "No momento oportuno, anunciará as alterações que houver a fazer", afirmou Costa, antes da Convenção.

O primeiro-ministro vincou que a apresentação dos novos membros do executivo será feita na "data e hora" que o Marcelo Rebelo de Sousa decidir.

A destoar da festa socialista, em frente ao pavilhão de Gaia, uma manifestação de lesados do BES acusam António Costa de mentir. São os "roubados do Novo Banco", como escrevem os poucos e ruidosos manifestantes, alguns vestidos com coletes amarelos.

Buzinas, bidões e um megafone têm sido suficientes para fazer passar uma mensagem ruidosa a pedir ao primeiro-ministro que lhes fale. Costa entrou por entre uma alameda de bandeiras amarelas da JS e azuis da União Europeia. E os protestos acabaram abafados.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.