Cavaco apresentou memórias (mas deixou cair críticas)

Pedro Passos Coelho associou-se à apresentação do segundo volume das memórias presidenciais de Cavaco Silva, "Quinta-feira e outros dias - Da coligação à 'geringonça'"

"Os líderes do PSD e do CDS souberam encontrar o caminho do superior interesse nacional." Foi elogiando Pedro Passos Coelho, mas também Paulo Portas, que Cavaco Silva apresentou esta quarta-feira ao fim de tarde na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, o segundo volume das suas memórias presidenciais, "Quinta-feira e outros dias" (Porto Editora).

Dizendo que discordou "várias vezes" das opções do Executivo PSD/CDS que entre 2011 e 2015 governou o país, Cavaco Silva salientou, no entanto, o seu resultado final: "Certo é que o pais evitou um segundo resgate e reencontrou o caminho do crescimento." Afirmações que contrastam com algumas que o escreveu no livro, nomeadamente em relação a Portas (ausente do evento). Para Cavaco, Portas comportou-se de forma "infantil" e "absurda" na sua irrevogável demissão do verão de 2013 (que acabou por não se confirmar, ascendendo Portas de MNE a vice-primeiro-ministro). Por mais do que uma vez o ex-PR recordou que o governo de Passos foi, na história da democracia portuguesa, o primeiro de coligação a completar uma legislatura (quatro anos).

Numa indireta a José Sócrates - nome nunca pronunciado - o ex-PR terminou a sua intervenção salientando que as suas memórias contêm "ensinamentos para que os governos não deixem cair outra vez Portugal numa situação de bancarrota".

Cavaco Silva disse que o dever de "prestar contas" o levou a escrever e publicar 23 livros

Já quanto à atual solução governativa - que tratou várias vezes por "geringonça", expressão aliás usada no subtítulo do livro - reconheceu que ela "não podia deixar" de lhe "suscitar dúvidas", sobretudo tendo em conta a oposição do BE, PCP e PEV a "grandes opções estratégicas" do país (o euro, a Nato, etc). Trata-se - acrescentou - de uma "solução inédita" na história da democracia portuguesa - razão pela qual se rodeou de todas as cautelas antes de empossar António Costa. Ouviu todos os parceiros sociais, os presidentes dos principais bancos e ainda sete economistas (seis dos quais ex-ministros) - num total de 23 reuniões. "E exigi ao lider do PS esclarecimento por escrito de vártias questões."

Cavaco Silva voltou a insistir na ideia de que escreveu estas memórias - as últimas da sua longa vida política - centrado no dever de "prestar contas". Segundo recordou, fez isso em todos os cargos políticos que ocupou (ministro das Finanças, primeiro-ministro e Presidente da República), num total de 23 livros. "Sempre entendi que a prestação de contas é um imperativo de quem exerce altos cargos públicos."

Ex-Presidente registava conversas com primeiros-ministros "na hora", pelo que garante serem "fidedignos"

Segundo explicou, o "relato dos diálogos diretos" que manteve com os primeiros-ministros com quem se cruzou (Sócrates, Passos e Costa) é de "fidedignidade garantida" porque os registos dessas conversas foram feitos "na hora" (e essas audiências decorriam normalmente à quinta-feira, daí o título do livro).

No seu entender, as conversas semanais entre o Presidente da República e o primeiro-ministro são "momentos preciosos" para o Chefe do Estado exercer a sua "magistratura de influência". "É principalmente aí" que o faz - afirmou.

A obra abrange todo o período em que Portugal esteve sob alçada da 'troika' (2011-2014) devido à "situação de emergência" a que o país chegara em 2011 e ainda o início do Governo da 'geringonça'. Cavaco deixou Belém em março de 2016, sucedendo-lhe Marcelo Rebelo de Sousa.

Passos promete um "contexto mais alargado" nas memórias que ele próprio está a escrever

Na plateia, Cavaco Silva tinha a escutá-lo figuras como Pedro Passos Coelho, o ex-Presidente da República Ramalho Eanes, ex-ministros seus como Manuela Ferreira Leite, Eduardo Catroga ou Faria de Oliveira, um atual vice-presidente de Rui Rio no PSD, David Justino, figuras de destaque no comentário político de direita (Rui Ramos e João César das Neves), antigos assessores, Assunção Esteves (ex-presidente da AR) e até um antigo vice-presidente do PSD que há pouco tempo se mudou para o "Aliança" (o novo partido de Santana Lopes), Carlos Pinto, antigo presidente da câmara da Covilhã.

Depois da apresentação da obra, Pedro Passos Coelho fez declarações confirmando que ele próprio está a escrever as suas memórias dos seus anos de liderança do PSD (março de 2010 a janeiro deste ano), com particular incidência nos seus quatro anos como primeiro-ministro (2011-2015). "Terei muito para dizer e para juntar, em complemento do que agora fica conhecido, julgo que pode dar um contexto mais alargado também, de entendimento sobre aquilo que se passou no país nesses anos", afirmou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG