Costa e o apoio a Vieira: "A liberdade de expressão existe em Portugal"

O primeiro-ministro não quis alongar-se em comentários sobre o facto de estar na comissão de honra da recandidatura do presidente do Benfica. Vice-presidente Varandas Fernandes contra ataca falando em perseguição a Vieira.

O primeiro-ministro António Costa recusou este sábado comentar a sua inclusão na comissão de honra da recandidatura do presidente benfiquista, Luís Filipe Vieira, argumentando que é matéria extra vida política.

"Não vou fazer nenhum comentário sobre um assunto que não tem rigorosamente nada a ver com a vida política nem com as funções que exerço ou exerci", afirmou António Costa.

O também secretário-geral do PS respondia a questões dos jornalistas após discursar no encerramento do XIX Congresso da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS, no pavilhão Paz e Amizade, em Loures. "A liberdade de expressão é, felizmente, algo que existe em Portugal. Da minha parte, não faço nenhum comentário, não tenho nada a dizer sobre uma matéria que não tem rigorosamente nada a ver", concluiu.

O jornal semanário Expresso noticiou este sábado que António Costa e o seu sucessor na Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, fazem parte da comissão de honra de Luís Filipe Vieira para as eleições do Benfica, que vão realizar-se em outubro.

Varandas Fernandes: "Perseguição lamentável e reprovável"

Já ao início da noite, Varandas Fernandes, vice-presidente do Benfica, enviou às redações um comunicado no qual lamenta a "cultura de suspeição e hipocrisia" que diz estar "instalada" em Portugal, assumindo tratar-se de uma "perseguição ao Benfica e ao seu presidente" que considera ser "lamentável e reprovável".

"Cidadãos que ocupam cargos públicos são suspeitos, ora no campo da política ou do desporto, ou até mesmo nas atividades de solidariedade social. Na grande maioria das vezes estes episódios consubstanciam uma sociedade em que se sucedem debates estéreis e com intérpretes deprimidos", disse, acrescentando que "não é por serem políticos, António Costa e Fernando Medina, que estão impedidos de tomar posição na eleição do seu clube". "Não deixam de ser cidadãos e neste caso benfiquistas", sublinhou.

Varandas Fernandes considera mesmo que os dois governantes "devem ser livres de ter as suas opiniões e livres de apoiarem quem serve melhor os interesses do clube". "São dois sócios, entre muitos milhares, do Sport Lisboa e Benfica, nessa condição decidiram integrar a Comissão de Honra de Luís Filipe Vieira.
Fernando Medina tem dado provas de isenção para com todos os clubes da cidade. Apoiar não é favorecer", sublinhou.

O vice-presidente encarnado diz ainda que "há uma diferença entre o que aconteceu no Porto e o apoio de António Costa". "António Costa não integra qualquer lista à direcção do clube. Observem a quantidade de políticos no Conselho Superior do FC Porto", finalizou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG