Sara Sampaio sentiu "muitas vezes" que foi levada a fazer coisas que não queria

Sara Sampaio falou na Web Summit e incentivou manequins a denunciarem situações de abusos

A 'top model' portuguesa Sara Sampaio instou hoje, na Web Summit em Lisboa, os modelos a denunciarem situações de abuso, salientando o poder que as redes sociais deram a estes profissionais e assumindo ter passado por situações desconfortáveis.

"Estás publicamente a denunciar alguém e é algo que a indústria [da moda] precisa, que se denuncie e se responsabilize as pessoas pelas suas ações", afirmou hoje Sara Sampaio, no espaço Modum da cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo, que decorre no Parque das Nações.

Sara Sampaio defendeu a necessidade de "responsabilizar as pessoas pelas suas ações e não fingir que não aconteceu", fazendo referência ao caso do fotógrafo norte-americano Terry Richardson. "Toda a gente sabe que acontece e ninguém faz nada, toda a gente sabia do Terry Richardson e ninguém fez nada e agora usam-no como bode expiatório, é uma grande hipocrisia", acusou.

Ao longo dos anos tem havido rumores sobre o comportamento de Terry Richardson em sessões fotográficas, tendo recentemente algumas publicações e empresas de moda anunciado que iriam deixar de trabalhar com ele, pouco tempo depois de várias atrizes terem denunciado terem sido abusadas sexualmente pelo produtor norte-americano Harvey Weinstein.

Além de caber aos manequins denunciar os abusos, Sara Sampaio considera que há mais envolvidos que podem ajudar a parar as situações, caso das agências de modelos, "que não deviam enviar modelos para sessões com um fotógrafo que se sabe que é abusador", e as revistas, "que não deviam trabalhar com ele".

"Sabiam que era assim e trabalhavam com ele [Terry Richardson] e enviavam miúdas para trabalhar com ele", disse.

A completar dez anos de carreira, Sara Sampaio assumiu que sentiu "muitas vezes" que foi "levada a fazer coisas que não queria, que muitos diziam ser 'parte do negócio'", porque "quando és uma cara nova passas por muita merda".

"Por exemplo, devia ser 'ok' eu poder dizer que não quero mudar de roupa à frente de gente que não conheço, mas se peço um sítio mais recatado dizem que sou diva, não devia ser assim", afirmou.

Apesar de ter atingido o estatuto de 'top model', Sara Sampaio continua a passar por situações que considera abusivas. Na Web Summit recordou um episódio recente, que denunciou a 19 de outubro nas redes sociais. Lembrando que "todas as fotos de nu" que fez "foram muito controladas, escolhidas e pensadas", esclareceu que as fotografias em 'topless' publicadas na revista francesa Lui foram tiradas numa sessão que tinha feito "sob condição, que ficou em contrato, de não haver nudez".

Sara Sampaio reconhece que os 5,9 milhões de seguidores no Instagram a colocam num nível diferente das centenas de rapazes e raparigas que dão agora os primeiros passos como manequins, mas deixou claro que eles "também têm voz".

"As novas caras sentem que não têm voz, mas têm. As publicações nas redes sociais podem tornar-se virais, mesmo que não tenhas muito seguidores", referiu, destacando que com o Instagram, o Facebook e o Twitter os manequins "ganharam uma voz" na indústria da moda, onde deles se esperava apenas que "entrassem mudos e saíssem calados dos trabalhos, fazendo tudo o que lhes mandam".

"Os modelos têm agora esse poder, não podem forçar-te a fazer coisas, porque podes recorrer às redes sociais e denunciar. Quando começarem [as denúncias] é uma grande mudança na indústria que está prestes a acontecer", vaticinou.

A Web Summit termina hoje no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?