Tem 42 anos e 29 tatuagens de Miley Cyrus. Agora quer tirá-las porque a cantora diz que são "feias"

Carl McCoid gastou quase quatro mil euros nas tatuagens que lhe cobrem o corpo. Mas desde que a cantora disse que as tatuagens eram "arrepiantes" e "feias", McCoid quer remover algumas.

Carl McCoid tem o recorde mundial de mais tatuagens alusivas à cantora Miley Cyrus: o homem britânico de 42 anos tem 29 tatuagens, todas relativas à controversa artista. Mas após Miley, em entrevista, ter dito que as tatuagens do seu rosto eram "feias", McCoid quer remover algumas.

A obsessão de McCoid começou em 2010, na altura em que se divorciou da mulher, de acordo com o jornal Daily Mail. Começou por tatuar as palavras Miley e Cyrus nos antebraços, mas acabou por gastar quase quatro mil euros em tatuagens, que incluem vários retratos do rosto de Miley a preto e branco. O seu nome no Twitter é "Miley Cyrus Tattoos", mas, conta a revista Complex, a artista bloqueou-o nessa rede social, onde McCoid coloca frequentemente imagens da cantora e das suas tatuagens.

"Agora tenho 29 tatuagens feitas e gastei 2800 libras. Nunca pensei que me arrependesse", disse McCoid, pai de três filhos, ao Daily Mail. "Só me estou a arrepender agora".

Miley Cyrus disse em entrevista que considerava as tatuagens "feias" e "arrepiantes", especialmente os retratos. "Não quero que ele se sinta mal, mas são tatuagens muito feias", confessou a cantora à estação Heat Radio. "Não vou mentir, o tatuador não fez um bom trabalho".

Após saber dos comentários de Miley Cyrus, McCoid quer remover as tatuagens. Mas, de acordo com a MTV, esse não é o único motivo. O britânico de 42 anos acha também que a sua obsessão com Miley Cyrus lhe está a dificultar a tarefa de encontrar uma namorada. Vai começar por remover três dos retratos a preto e branco que tem no corpo.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.