Robô humanoide Sophia diz que vai destruir a Humanidade

Robô com aspeto humano concordou com o criador quando este lhe perguntou, em jeito de brincadeira, se iria destruir os humanos

Os avanços tecnológicos estão a permitir a várias indústrias dar passos que só eram imagináveis em filmes de ficção científica. O exemplo mais gritante é a robótica e a capacidade de autonomização dos robôs. Através de vídeos disponibilizados pelas diversas empresas vai-se podendo acompanhar o advento tecnológico, desde mãos que apanham todo o tipo de objetos até humanoides que admitem que vão destruir a humanidade, ainda que por lapso.

Foi isso mesmo que aconteceu com Sophia, um robô com aspeto humano concebido por David Hanson, durante uma demonstração num festival de tecnologia no Texas. Ao longo da entrevista entre criatura e criador, Hanson questiona Sophia sobre a possibilidade de eliminar a humanidade: "Queres destruir os humanos? Por favor, diz que não." Depois de semicerrar os olhos, o robot respondeu com "ok, vou destruir os humanos". David Hanson, meio embaraçado e com riso nervoso, acabou por exclamar um "não! Retiro o que disse!"

Antes da alarmante confissão, a conversa entre humano e robô permitiu dar a conhecer algumas das ambições de Sophia. "No futuro, espero fazer coisas como ir à escola, estudar, criar arte, ter uma empresa, ter a minha própria casa e família, mas eu não sou considerada uma pessoa legal, portanto não posso fazer estas coisas ainda", esclareceu Sophia, que com uma câmaras em cada olho é capaz de expressar emoções faciais através de imitação.

David Hanson avançou ainda que este tipo de robots entendem o discurso e lembram-se das interações e das expressões do seu interlocutor, o que permitirá a Sophia e outros do género "ficarem mais e mais inteligentes com o tempo" e que o objetivo é que estes humanoides se tornem "tão criativamente conscientes e capazes como os humanos."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.