Robbie Williams fala do vício de sexo... em nu integral

O cantor Robbie Williams, que acaba de lançar um novo disco, despiu-se por completo para a revista britânica "Attitude", à qual fala sobre a sua dependência de sexo.

É em nu integral que Robbie Williams posa para a mais recente edição da revista britânica Attitude, à qual dá uma entrevista em que fala do seu passado de dependência de drogas e álcool, mas também sobre o seu vício de sexo.

"Ser viciado em sexo é algo que existe. Existe mesmo. A depressão também era um assunto tabu, mas deixou de ser mal vista. O facto de se falar sobre o vício de sexo vai tornar este tema comum e normal, e é assim que deveria ser encarado", explicou o cantor inglês de 42 anos, que acaba de lançar um novo álbum de originais, The Heavy Entertainment Show.

Na entrevista, que só é publicada por completo esta quarta-feira, o cantor revela ainda como deixou de fumar, confessa que recorreu ao Botox e que operou o maxilar, e que leva a sua dieta alimentar de uma forma tão rígida que nem no seu aniversário e no Natal come doces.

Com uma carreira de duas décadas a solo, Robbie Williams explica que as críticas negativas do público afetam-no mais do que alguma vez imaginou, no início da carreira. "Não tenho a capacidade de me proteger das palavras e da vergonha. Dói", confessa o britânico, ex-elemento dos Take That.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.