Rita Pereira elogia bailarina portuguesa nos Óscares

Rita Pereira diz estar "orgulhosa" do percurso atingindo pela amiga e bailarina Diana Matos, que dançou este domingo ao lado de Justin Timberlake na abertura dos Óscares

A atriz da TVI desdobrou-se em elogios à bailarina portuguesa Diana Matos, que dançou ao lado de Justin Timberlake na atuação de abertura dos Óscares 2017, este domingo, em Los Angeles. "A Diana [Matos] é a prova de que existe muito talento vindo de Portugal", explicou Rita Pereira ao DN.

A jurada do "talent show" "Let's Dance" confidenciou, ainda, conhecer há vários anos a bailarina que vive atualmente na Califórnia. "Tive imenso orgulho porque é uma pessoa que eu conheço desde pequena. Já dancei com ela várias vezes", contou a atriz.

A jovem de 28 anos, que brilhou no palco do Dolby Theatre ao som da música Can't Stop The Feeling, nomeada pela Academia para Melhor Canção, nasceu em Lisboa, mas foi além-fronteiras à procura de uma carreira internacional.

Diana Matos partiu primeiro rumo à capital britânica, onde viveu e deu aulas, participando, inclusivamente, na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2012. A bailarina soma no seu currículo vários telediscos de artistas como Nicki Minaj e Gwen Stefani e já dançou em palco com The Black Eyed Peas, Iggy Azalea, Jennifer Lopez, Alicia Keys, Fergie, Nelly Furtado ou ainda Jennifer Hudson.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.