Reese Witherspoon revela que foi sexualmente agredida aos 16 anos por um realizador

Atriz revelou que foi sexualmente agredida por um realizador de cinema

A atriz Reese Witherspoon diz ter sido vítima de agressão sexual quando tinha apenas 16 anos. O autor era um realizador e Witherspoon revelou que foram os produtores e agentes que a forçaram a remeter-se ao silêncio.

Num evento da revista Elle para mulheres em Hollywood, a atriz quis falar sobre o assunto mas não revelou o nome do realizador que alegadamente a agrediu, referindo porém que aquele foi o primeiro de uma série de incidentes de assédio sexual ao longo da sua carreira. "Tenho as minhas experiências que regressaram agora de forma muito vívida, e tenho tido dificuldades em dormir, pensar, em comunicar muitos dos sentimentos que tenho sobre ansiedade e a culpa por não ter falado mais cedo", disse Witherspoon.

"Sinto verdadeira repugnância pelo realizador que me agrediu sexualmente quando tinha apenas 16 anos e raiva dos agentes e produtores que me fizeram sentir que o silêncio era uma condição para o meu emprego", acrescentou.

A atriz diz que foi impelida a falar perante os numerosos relatos de agressões sexuais que têm vindo a público de atrizes que trabalham em Hollywood.

No mesmo evento, Jennifer Lawrence quis também partilhar as suas experiências e revelou que foi obrigada a participar num casting despida, ao lado de outras atrizes, tendo descrito o episódio como "degradante e humilhante".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.