Porta-voz de Putin confirma que Depardieu já tem passaporte

O ator francês Gerard Depardieu reuniu com o Presidente russo Vladimir Putin e recebeu um passaporte russo, disse hoje um porta-voz de Putin à AFP.

"Houve uma reunião curta", no sábado, na residência de Putin na cidade Sochi, nas margens do Mar Negro, disse o porta-voz Dmitry Peskov, acrescentando que o ator francês recebeu o passaporte russo.

Não ficou claro se o passaporte foi entregue durante o encontro com o Presidente russo.

Depardieu, que interpretou ao longo da carreira várias personagens emblemáticas como foi o caso de Obelix ou de Cyrano de Bergerac, expressou a sua vontade de renunciar ao passaporte francês após o Governo de Paris ter anunciado que pretendia decretar um novo imposto sobre os ricos.

Em carta recentemente enviada a um canal de televisão russo e divulgada na sexta-feira, o francês expressou a sua admiração pela democracia e pelo Presidente da Rússia, Vladimir Putin, palavras que suscitaram críticas e mensagens de sarcasmo.

"Vou aprender russo. Já o disse ao Presidente François Hollande. Ele sabe que gosto muito do Presidente Vladimir Putin e isso é mútuo", indicou a carta enviada por Depardieu à estação russa.

O ator acrescentou que transmitiu a Hollande que a Rússia "é um país com uma grande democracia e não é um país onde o primeiro-ministro pode chamar patético a um dos seus cidadãos"

"Gosto do país, do seu povo, da sua história, dos seus escritores. Gosto dos filmes russos onde trabalhei com atores como Vladimir Mashkov. Admiro a cultura do país, a sua forma de pensar", sublinhou o ator na missiva, divulgada na página do canal na Internet.

O artista, de 64 anos, recordou ainda que o seu pai "em tempos seguidor do comunismo" ouvia a rádio Moscovo.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.